Terça-feira, 25 de Março de 2014

Ethnologie des populations africaines-Ndau

AUTEUR : Malua Rajabo Caetano Bernardo


 

introduction

Le présent travail vise à répondre à l'ethnologie des peuples africains en général et particulièrement les gens Ndau . Depuis son départ de l'ethnographie , ethnologie étudie tous les faits documentés dans le sens anthropologique culturelle et sociale , c'est à dire , de comparer les cultures étudiées par l'ethnographie .

Fondamentalement , l'ethnologie a été entendu à l'étude des sociétés primitives , est actuellement considéré comme une étude des caractéristiques d'un groupe ethnique ( des groupes humains ) . L'ouvrage est divisé en deux chapitres . Le terme peuples africains tentent de désigner les personnes qui vivent en Afrique ou les gens qui tracent l'ascendance de leurs habitants naturels de l'Afrique , parlera de leurs pratiques culturelles , l'organisation sociale . Ndau est un groupe éthique habitant la vallée du Zambèze , au Mozambique jusqu'à ce que le centre de la côte et l'est du Zimbabwe .

objectifs

 

Gerail :

 Décrire l' ethnologie africaine , les gens Ndau .

 

spécifique :

 Définit Ethnologie , les gens , les rites , la tribu , le mythe , les concepts de la culture ;

 Trouver Afrique ;

 Trouver la région Ndau personnes .

 

méthodologies

Pour la réalisation de ce travail a été effectué de la recherche documentaire et à la consultation sur l'internet .

 

 

 

Ethnologie des peuples africains , Ndau

 

conceptualisation

culture

 

    
Selon Tylor , le père de l'anthropologie moderne ( 1871) Culture - Septembre Impliquer connaissances complexe , la croyance , l'art, la morale , les lois , les coutumes et d'autres capacités et habitudes acquises par l'homme en tant que membre de la société ;

 

Ou est un ensemble d'activités et de manière d'agir, les coutumes et les instructions des personnes, des moyens par lesquels l'homme s'adapte aux conditions d'existence transformer la réalité .

 

mythes

    
Selon Mircea Eliade - une histoire exemplaire est de se fixer des normes pour le comportement humain .

 

Pour K. Marx - est une aliénation , une projection , ou sont utilisés par les récits antiques peuple grec pour expliquer les faits de la réalité et des phénomènes .

 

personnes

    
groupe de citoyens d'un pays qui est , les gens qui sont liés à un régime légal , à l'Etat.

 

rite

    
est un ensemble de cérémonies religieuses réglementées ailleurs , après les diverses communions ou dans les différentes sociétés .

 

tribu

    
est le nom - est donnée à chacune des divisions des peuples anciens , possession du territoire et une sorte de commandement , ayant en commun la même ascendance .

ethnologie

    
est l'étude ou la science des faits ou des documents soulevées par l'ethnographie sociale et culturelle dans l'anthropologie , à la recherche d'une évaluation analytique et comparative des cultures .

 

Dans son interprétation originale , était l'étude des sociétés primitives , cependant , avec le développement de l'anthropologie , terme primitif , a été abandonné par croire Que exaltent les préjugés ethniques .

 

Alors maintenant, il dit Que l'anthropologie est l'étude des caractéristiques des ethnicité , c'est à dire , l'homme - les gens groupe ou Qué groupe social a une structure socio-économique identifiable , où les membres ont généralement face à face interactions , et il ya une communauté de culture et la langue .

 

Cette étude de s'établir AIMS développement et les lignes générales de l'entreprise . L'ethnographe observe les différences entre les sociétés depuis la démarche et utilise le corps (techniques de corps ) à la célébration du mariage et des funérailles . Devrait analyser l'ensemble de la vie sociale des personnes et de la place , surtout en regardant ce que ces gens disent de lui-même , et la façon dont il identifie ses participants .

 

L'ethnographie est un racisme des ressources plus importantes et l'hégémonie culturelle en ce qu'il prévoit les moyens pour effectuer la critique de l'ethnocentrisme Quels parcializa enquêtes .

 

Les études ethnographiques ont récupéré les connaissances et les techniques des agrafes gens comme un moyen de connaissance ( ethno ) dans plusieurs domaines , tels que :

- Biologie ( ethnobiologie ) , en pharmacologie et en botanique ( plantes) Ingénierie ( bateaux, maisons , ponts, etc . ) , Psychologie , médecine , etc . .

 

Dans ce dernier domaine, il s'agit d'une intégration entre les techniques ( tecne ) et le savoir ( epsteme ) Québec a été appelé par l'anthropologie médicale et l'étude du système ethnomédical et le chamanisme .

 

 

CHAPITRE I: ethnologie des peuples africains

 

Situation géographique du continent africain

 

Avec environ 30 millions de km ² , soit un peu plus de 22 % de sa superficie terrestre de la planète , est la troisième plus grande masse de notre planète .

 

La plupart du continent se trouve dans la zone tropicale , donc le tropique du cancer de coupes dans la partie nord ( nord ) et du Capricorne dans la partie sud ( sud ) .

 

Le type prédominant de soulagement est clair , les plaines sont des zones de moindre ampleur et sont situés le long de la côte . Dominé par les climats chauds .

 

Il a une plage de sable bas , rarement par des falaises et peu déchiquetée cassé , il est dit que c'est un continent massif . Logements dignes mettent en avant le Golfe de Guinée , et la baie de Sofala Sitre . Madagascar est la plus grande île de l'Afrique , est situé dans l'océan Indien .

Avec plus de 800 millions de personnes , a moins de 15% de la population mondiale .

Cependant , en raison du taux de natalité élevé existant sur ​​le continent africain ( il est l'un des plus élevés au monde , ainsi que la mortalité ) .

 

Composition de la population et les religions

 

L'Afrique est un continent de grande diversité ethnique , culturelle et linguistique .

Il a été le premier continent à être habitée par des gens appelés Berbères et Bantu des premiers groupes humains ensemble.

 

La partie du territoire africain situé au nord du désert du Sahara , l'Afrique est appelée Blanche, où prédominent :

• Les Arabes qui ont conquis l'Afrique du Nord au VIIe siècle et se sont installés en Egypte, la Tunisie , la Libye et l'Algérie orientale ;

• Les Berbères Constituent plus anciens peuples du Maghreb les , formant la majorité de la population du Maroc et les régions montagneuses de l'Algérie , entre ces démarquer des Touaregs , peuple nomade qui vivent dans le désert .

Les deux groupes ont cité la plupart professent la religion musulmane .

 

La population de la sud du désert du Sahara est appelée Afrique noire car c'est là que les Noirs dominent , constituant une grande variété de personnes . Parler plus d'une centaine de langues différentes et plus de 700 dialectes , avec les langues introduites par les colons , pour les Français , les Portugais et les Inglês .

Suivez l'animisme , c'est à dire les croyances dans les esprits ou des forces invisibles Qué Se manifestent dans tous les actes de la vie . Mais pratiquer également le christianisme , introduit en Afrique par le colonisateur .

D'autres groupes sont musulmans noirs , en particulier soudanais .

 

Groupement des Noirs

 

• soudanais - habitent l'Afrique occidentale et savait déjà comment utiliser la terre et utiliser le fer , avant l'arrivée des européens ;

 

• bantou - constituent le plus grand groupe et occupent la plus grande de l'Afrique (région équatoriale et australe ) ;

• nilotique - habiter la région du Haut-Nil et se distinguent par la taille ;

• Hottentots - vivent en Afrique du Sud , qui se consacre à la création de bovins nomades ;

• Bushmen - habiter la steppe épineuse proximité désert kalaari où vivent la collecte et de la chasse ;

• Pygmées - ont de petites statures , habitent la forêt tropicale et l'expérience au niveau de la vie primitive .

 

Les peuples du continent africain , souvent en utilisant des costumes , de la peinture de corps , tissus et ornements , de l'identité de son groupe approprié .

 

Généralement peintures sont utilisés dans les cérémonies , pour orner le corps ou pour afficher Leur style

Tribu , chaque tableau a une signification différente . L'Afrique est le foyer de plusieurs tribus et groupes ethniques . Le continent compte plus de 20 groupes différents . Chacun de ces groupes et de ces tribus , qui peut être formé par des centaines , des milliers , voire des millions de personnes ont leur propre culture , traditions et coutumes .

Ces coutumes et traditions attirent l'attention pour être sur de nombreux cas , , étranges , choquantes ou controversées curieux drôle, tels que :

 

Surma tribu

 

Cette tribu est composée d'un peuple isolé dans le sud-ouest Ethiopie et leurs épouses ont comme d'habitude à l'aide du disque en bois dans sa lèvre inférieure , habituellement à des occasions festives peignent aussi leur corps.

Taille du disque est proportionnelle à l'ampleur de la dot ( biens ou d'argent donné à la maison de la femme ) Que la famille de l' épouse à l'époux peuvent se permettre . Ils ne peuvent obtenir le disque Quand il n'y a pas d'hommes à travers . Pour cette tribu , plus le disque , est plus belle et riche femme .

 

Ndebele Tribe

 

Les Ndebele est en Afrique Lesedi , habiter femmes qui portent des anneaux de métaux lourds sur le cou , les jambes et les bras , après s'être marié . Selon leur sert les anneaux de ne pas fuir leurs maris , et ne pas regarder sur le côté.

 

Tribu du Nigeria

 

Dans certaines régions du Nigeria , des femmes font des scarifications sur le corps, les marques faites avec des coupures de la peau , qui représentent des étapes importantes dans leur vie . Lorsque vous guérir les coupures sont semblables à un revenu . Parce qu'ils ne portent pas de vêtements, les cicatrices sont aussi symbole de beauté et esthétique .

Les marques commençant à être fabriqué à partir de l' âge de 5 ans , dans des parties spécifiques du corps , la suite de la séquence . Jeune adulte et ne sont admissibles pour le mariage Quand toute la séquence de conception sont terminées.

 

Fonction de mythe pour l'Afrique

 

Ce pays d'Afrique est l'une des premières manifestations de la pensée humaine qui tentent de dicter des valeurs et des concepts de la pensée humaine , et la soumission à leurs dieux . Il ya aussi les croyances et les pratiques rituelles :

- L'étape demandant infiniment plus complexe et œuvres de la nature .

 

 

CHAPITRE II :

Origine et l'ethnologie des gens Ndau

 

Les origines du peuple Ndau ne sont pas faciles à retracer en raison de la rareté des sources et des contradictions . Cependant, il semble prudent de dire Que les origines du groupe sont connectés est royaumes fragmentés de Mon Pire Muenemutapa et les groupes de cycles expansionnistes Shonas - Caraga , la Rozvi , les hauts plateaux centraux du Zimbabwe vers le littoral de l'océan Indien .

 

L' organisation sociale traditionnelle Ndau

 

Le Ndau est un groupe éthique habitant la vallée du Zambèze , au Mozambique jusqu'à ce que le centre de la côte est du Zimbabwe et au sud de Mutare .

 

Les ancêtres du Swaziland Ndaus étaient des guerriers qui se sont joints à la population locale , ethnique constitué par Manikas , Tewes , Manica et Sofala au Barwes . Les populations locales du Zimbabwe , avant l'arrivée de la Nguni , descendent principalement actuel Mbire prochaine Hwadza .

 

Les ndaus parlent la langue appartenant à la famille linguistique Xona , la Ndau .

 

Situation géographique et le nombre de locuteurs de la langue Ndau

 

La langue Ndau est parlé dans les provinces de Sofala , Manica et Inhambane dans la zone Nord . En outre, il est parlé dans la République du Zimbabwe .

Selon Martin (2004 ) personnes Ndau situés dans la région du sud du continent africain dans le centre du Mozambique , par conséquent , dans la province de Sofala , il existe plusieurs groupes dans les districts Chibabava Buzi , Machanga , Gorongosa , Nhamantada , Beira , Dondo .

 

Dans la province de Manica sont dans les districts de Machazi , Mussorizi et Chimoio Ville et la partie nord de la province d'Inhambane allant de Machacama la Mambone .

La est le nombre de locuteurs est noté que : environ 581 000 locuteurs Ndau au Mozambique Selon les données du recensement de la population 1997.

 

Mise en place de la variante de base

 

Le Ndau illustre les variations régionales dans la prononciation .

Par exemple , la côte ( et Mussorisze Machaze ) dans les mots justes pour adoucir R l , contrairement à l'Intérieur ( Buzi ) .

 

Selon la classification ( Guthrie 1997), les variantes de la langue a la suite de :

 

Cimachanga , parlé dans Machanga district de Buzi à Sofala et le District de Mambone à Inhambane . La variante a Cibwani et Cibhara de Cimashanga , tant parlée dans le district de Buzi ;

Cidanda parlé dans le district de Machazi ; Cigova parlée dans le district de Buzi , Cidondo parlé Chibambava et Buzi ; Cibangwe , parlé à Beira ; Ciqwaka , parlé à Gorongosa par une communauté située dans la Sierra ; Cinayai , falanda sur la rive droite de la Envoyer cette rivière jusqu'à Machacame Mambone ; Cindau parler sur le quartier Mussurize à Manica et la province Chimoio .

 

Selon Keith , ( 19870 ) est le Ndaus commun traçarem son origine de la région Mbire existait dans cette région au XVIIe XVIe siècle / avec petit Qué royaume était liée à la grand royaume de Muenemutapa qui est devenu plus indépendant .

 

Le royaume de Quiteve se pose également à la fin du XVe siècle est une nouvelle scission au sein du royaume de Muenemutapa . Ce royaume a rejoint suppose une certaine importance en particulier du XVIIe siècle en raison de l'intérêt des marchands arabes et portugaises dans le commerce de l'ivoire et de l'or . Quiteve commandé une vaste région , ce plateau central de la zone de Chimoio jusqu'à ce que les basses terres près de Buzi à Sofala .

Le royaume Quiteve perdrait ce montant à partir du XVIIIe siècle, en partie en raison de luttes intestines constante entre les membres de la famille royale , mais aussi en raison du manque de arabe et portugais , quand ils ont réalisé l'extraction de file n'était pas très attrayante , la baisse de Sofala est étroitement liée à la baisse du royaume de Quiteve .

 

L'organisation socio- politique traditionnelle

 

Les premières études en profondeur et la nature systématique de cette population , connue pour etnónimo Ndau , ne pouvaient être faites dans la première moitié du XXe siècle.

 

Plusieurs auteurs ont postulé au Québec Ndau était le nom donné à ces populations par les Nguni envahir et provenant de l'observation de la forme habituelle de saluer avant que la tête de roi , ou même un étranger ce et les gens Ndau , qui est de s'asseoir sur le sol , ou à genoux taper des mains et crier " Ndau ui , ui Ndau » ( Junod 1934 Rita Ferreira , 1982) .

 

Cette forme traditionnelle de voeux a été décrite par Frei João dos Santos sur son travail est de l'Ethiopie en 1609 . On ne sait pas de quelle source l'auteur a retiré cette information ou si c'est la spéculation , cependant , il est certain Que ce point de vue de l'origine de cette etnónimo Ndau actuellement ancrée et largement acceptée par ces populations .

 

Selon Vijfhuizen ( 1998), le terme Ndau signifie littéralement «lieu » associé à la façon traditionnelle de salutation .

Cependant , après cet auteur le terme Ndau ont déjà utilisé bien avant l'arrivée des Européens , le Qué informations sur l'auteur puise dans le travail de Keith Rennie (1987 ) .

 

Différentes études menées sur les Ndau ont une structure sociale relativement homogène pour toutes les populations de la frontière avec le Zimbabwe sur le littoral de l'Indien .

 

Division des groupes Ndau

 

Une . Les Shangas : Principalement les habitent la bande côtière entre les rivières et dont principal clan totémique , est Simango Save et Buzi . Simango Mambo était le plus puissant de cette région vivaient dans Chiloane .

 

2 . Le gova , qui habitent les basses terres situées entre les fleuves Buzi et Save , Dont le plus important est la Nkomo de mutupu .

 

3 . Le Danda , qui habitent la région frontalière du Zimbabwe et le principal et également le mutupu Nkomo .

 

4 . Le Tombodji , habitant les hauts plateaux du Massif Central , près de la frontière entre la Save et chiamanimani massif . Le plus important était le mambo de tombodji Mutema Nkomo , qui a vécu dans la région actuelle zimbabwe .

 

5 . Eu ceux qui ont trait au royaume de Quiteve ( Junod 1934) , cependant , est problématique

entre eux avaient à examiner le sous-groupe Ndau . Malgré des origines communes , semble être différents groupes avec les aspects de l'organisation sociale au Québec sont distincts , avec des différences linguistiques .

 

Rites d'initiation

 

Rites d'initiation sont des cérémonies traditionnelles et culturelles pratiquées dans les sociétés africaines au Québec vise à préparer l'adolescent à faire face à une autre étape de la vie , c'est à dire l'âge adulte .

Visent essentiellement à l'intégration personnelle , sociale et culturelle de l'individu , permet à l'individu de répondre à de multiples influences de leur environnement pour ensuite l'intégrer dans leur façon de penser, d'agir et de se comporter eux-mêmes , l'individu participe activement à la vie et aux activités du groupe appartient .

 

Dans la société mozambicaine , les rites d'initiation manifestent pas la façon homogenic . Ils varient d'une province à province, région par région, de la religion à la religion , et pour fri fri .

Le but de ces cérémonies est de préparer les garçons et les filles pour le mariage et la vie sociale et le rite d'initiation des garçons et des filles ont accès à la connaissance et à la participation de certains mystères .

 

Description de quelques cérémonies

 

Phase de menstruation

 

Lorsque sa mère découvre sa fille les signes de la menstruation ou tend à s'assurer que toute équité si l' hypothèse est vraie . Réveillez la jeune fille et ce , pour tout a été préparé en secret , fait sursauter . Envoyer - en stand et de l'eau tous les trois ou quatre fois . Après avoir pris tous les vêtements de mettre juste une petite bande de tissu que vous passez à travers les jambes .

 

Toutes les femmes étaient assis , la marraine se trouve au milieu d'eux , étendre vos jambes et ont la fille s'asseoir avec votre tête et appuyé contre l'autre .

 

Cette attitude a commencé à chanter , expliquant la jeune fille qui n'a pas peur Que cette maladie est normal , de leur donner le niveau de l'hygiène et de lui apprendre qu'elle devrait le fri avec votre homme . La marraine va vous expliquer tout dans le geste du corps .

Puis , la tante ou de presse soulève la jeune fille, tenant ses jambes saisissant ses bras , jette et tombe à terre sur elle. Soulevez-le , prenez lui par le corps et le jette vers le sol avec toute la force . Cette opération est répétée plusieurs fois au cours du temps de la jeune fille à payer et souffrir de cette manière par le mal qu'il a fait avec ses méfaits passés .

 

Habillez-le une grande Qué tissu recouvrant complètement et exiger toute une semaine pour entrer dans la maison sans douche .

Pendant cette période de temps doit s'abstenir de manger certains aliments et la nourriture ne peut pas goût avec du sel .

La semaine dernière , la marraine lui vient baigner et aussi vous donner licence à aller à l'extérieur . Le resserrer une cabane à côté de la maison et elle ne peut pas partir d'ici sans l'autorisation de la mère , ni voir les hommes ou femme mariée ou le marié .

 

Lorsque Face quelqu'un doit se couvrir et ordinairement promenades Accompagné par un enfant de notifier la proximité des gens .

Cette saison, il peut prendre jusqu'à 2 mois ou de plus de 1 an, à la difficulté de trouver de l'argent de la relance de la famille à la fin de la partie .

 

Puis les rassembler tambour - femmes nues toute la journée et toute la nuit l'enseignement de la fille à danser ce sont exercice sévère et rigoureuse et si la jeune fille ne sait pas ou ne vous coûte apprenez peine au-delà de la souffrance , est-ce une grande honte pour la mère .

Pendant la nuit, viennent les cerimoniados garçons et les hommes mariés . Venez tous à écouter les conseils donnés aux jeunes , le style provient administré ou Représentés par les figures allégoriques vivre .

 

Tout cela est chanté au son de deux postes de bambou parallèles où tout le monde peut jouer . Tous ces découlaient , qui semble apparemment innocent et dépourvu de tout sens de la vie conjugale .

Mathunya / Mathindji

 

Est la dilatation des petites lèvres de l'appareil reproducteur féminin . La jeune fille , cet âge tendre , il est tenu par sa mère à tuer , de lui apprendre à faire cette opération après avoir répété chaque jour jusqu'à ce que le mariage . Atteindre les deux qui peut vous donner le noeud , mais si la femme exagérer cela, les hommes veulent pas dénonce , parce qu'elle avait trop large et ne pas provoquer le plaisir sexuel -les .

 

Est-ce une coutume sociale , aujourd'hui, les garçons sont déjà ne s'occupent pas sur le sujet , mais il est fréquent de trouver des filles qui ne arrangent le mariage ou sont abandonnés et calomniés pour ne pas l'avoir .

Son objectif est d'étendre l'entrée du rapport sexuel vaginal pour faciliter . Dans son homme éprouve du plaisir ostentatoire . Quand il est triste ou fatigué , à la fin de la journée de travail , ou un voyage la femme se déshabille pour lui montrer cela et vous donne la joie .

 

mariage Ndau

 

Le Ndau sont disposés dans de grandes unités sociales , basé sur le système patrilinéaire des semences. Les unités plus larges sont plus des groupes familiaux clans totémiques étendues , ou dzinza de bvumbu désigné dans le totem est désigné mutupu .

Le Ndau pratique exogame bvumbu de mariage parce que « les gens ne peuvent pas se marier dans le même mutupu " . Cependant , à l'heure actuelle , cette règle est bafouée souvent, surtout parmi la population la plus urbanisée d'accueil des villages du district , et le mariage entre personnes de même mutupu , ou appartenant à la même bvumbu .

 

En ce qui concerne Ndau mariage , ce n'est évolue officiellement Lobolo Lorsque le paiement . Kulola nommé dans Cindau , qui se compose actuellement d'une somme d'argent peut varier au Québec entre 1 et 1,5 mille mètres , alors que dans la période pré - coloniale consistait principalement dans des châles .

 

Pendant la période précoloniale , Ndau pratique également une forme de mariage direct , qui n'impliquait pas l'utilisation de lobola .

Exemple: Quand quelqu'un voulait la femme a pris sa fille à type de retour . Gauche sa fille et la fille a pris la femme de l'autre . Ceci est dû au manque d'argent.

 

Ou le mariage à prédominer forme de résidence et virilocale , mais de temps en temps , vous pourriez opter pour une forme uxorilocale temporaire , c'est-à- Quand un homme ne pouvait pas lobolar les services de femme rendus à une époque où la maison - lois, avant de constituer votre ménage dans le pays de son père, Qué maintenant et pratiqué .

La pratique de lévirat Ndau aujourd'hui , c'est à dire , l'homme peut prendre (s ) femme (s ) et les enfants de son frère décédé .

 

La place sociale des esprits

êtres spirituels

 

Selon Martinez (2007 ) , dans la société de l'activité religieuse exprime sa relation avec le monde spirituel : avec le transcendant , l'être suprême , avec d'autres êtres spirituels et les forces invisibles . En fait, il ya un être suprême , dont l'existence est reconnue universellement , même si les formes et les idéologies qui existent dans le monde d'aujourd'hui ce qu'est l'être suprême n'est jamais confondue avec des êtres spirituels , et parmi eux tout a lieu chaque fois une certaine hiérarchie . Sans eux il n'y aurait dans les rites comme il est à la Qué -les rites sont dirigés .

 

L'un des aspects les plus importants dans le processus de succession est inuciação requête aux esprits des mambos décédés , comme, d'ailleurs , la plupart se produisent dans les groupes d'origine Shona ( Terrain , 1987 ) .

En ce sens , il est nécessaire , dans un premier temps , de comprendre les représentations au Québec les gens Ndau conçoivent sur ​​les aspects de la vie et de la mort .

 

Franz Boas , anthropologue qui a utilisé la informate k " amba Simango , a écrit en 1920 la vie de file est Ndaus est appelé Vgomi Sur le concept de personne , il se compose de deux parties . :

 

- Le corps muvili , et l'esprit , bvuli .

Le muvili est une sorte d'ombre ou de réflexion / image d'un être . Après les bvuli de la mort ne sont pas seulement vous rester en vie et de l'esprit murugo passe .

 

Le murugo a la forme et le caractère de la personne décédée . Il n'est pas dans la tombe pour le corps , il reste encore à vivre en famille , est immortel , et Ndaus ne croient pas en la réincarnation .

 

Les Ndaus utilisent le terme pour désigner Mudzimu l'esprit de la famille . Le vadzimu (au pluriel) sont les esprits de la musi et sont vécus par les membres restants qui est Nhamussoro :

Exemple: Quand une personne mourante sera enterré après esprit de file , si la personne a des enfants vont à fils ou votre fille , si vous n'allez pas à une autre famille de la personne décédée ( un ) .

 

Le vadzimu conséquent varungu sont du défunt un certain groupe de la famille , et leur fonction est de protéger les membres de la famille contre toute malheur qui est causé par d'autres esprits .

 

Depuis Ndaus il ya la notion de hasard et chaque événement de la vie individuelle et collective sont les manifestations de varungu interprétés. Cette fonction de protection de vadzimu est soulignée par S , de sorte que " vadzimu sont bons parce qu'ils aident à prendre soin de la vie de ceux qui n'ont pas encore mort comme s'ils étaient Dieu , le vadzimu marcher avec Dieu ", " et également par Amnesty International , après qui à la vadzimu " est de protéger la famille se sont Qué Ils peuvent , par exemple pour protéger la famille de mauvais esprits d'autres . " La maison vadzimu la bataille avec les mauvais esprits Qué Ceux sortent de l'autre maison, de ne pas entrer dans la maison chela " .

 

Il a un rôle social énorme de l'ambivalence . Ils protègent simultanément votre Musi , et cette station sont formés le vadzimu pour leurs parents , tandis que pour toutes les autres personnes peut signifier une menace énorme . Lorsque vadzimu acte en dehors de son Mushi sont connus comme Nbvuri .

 

Parmi Ndaus du Mozambique il n'y a pas , la croyance commune parmi les Shona du Zimbabwe , sur l'esprit de Nhandhoro , l'esprit de la fin de mambo Qué incarne le milieu ( Terre 1987) . Pour Ndaus Nhandhoro l'esprit est un lièvre esprit de file du lion et ce connecte au travail de milieu , Nhamussoro .

 

 

conclusion

 

 

Le travail terminé, nous espérons avoir pu réaliser ce que nous avons depuis le début de ce travail , à savoir créer des lecteurs le désir de mieux comprendre l' ethnologie africaine , et à faciliter l'effort de comprendre le contenu a été expliqué que. Depuis l'Afrique compte 53 pays , et parmi ces pays ont chacun leur propre façon de vivre , de leurs croyances culturelles. Tout au long de l'œuvre parler les gens Ndau , habitant de la vallée du Zambèze à Sofala pour la partie côtière de la République du Zimbabwe . Ces gens de leur origine et l'histoire ne sont pas faciles à retracer en raison du manque de fournitures .

Nous croyons Que suffisant pour présenter au lecteur ont maintenant une bonne compréhension de la vie et la culture des peuples africains et en particulier des éléments Ndaus .

 

bibliographie

 

ADAS , Melhem , Géographie générale : Cadre de la politique économique et le monde contemporain , 8 série ᵃ 1er grade sont Paul ed . Moderne, 1979

BICA , Ismael Ismael A. Firoza , les temps et les espaces , Harbour Publishing , 6 ᵃ classe , éditeur port. Portugal

EDUARDO Medeiro . La puberté des rites d'initiation , Maputo , 1982

Adresse électronique : www.Google.com

Florencio , Fernando , lors d'une rencontre de Mambo , 1 ᵃ édition , la presse dans les sciences sociales , Lisbonne 2005.

MARTINEZ , Francisco Lerma , anthropologie culturelle , 5 édition ᵃ , Maputo 2007
Google Traduction pour les entreprises : Outils de TradutorTradutor Google Website Translator
Google Tradutor para Empresas:Ferramentas do Google TradutorTradutor de Web sitesGlobal Market Finde

publicado por malua7rcbm às 18:03
link do post | comentar | favorito

ETHNOLOGY OF AFRICAN PEOPLE-Ndau

                                                                                                                                                            AUTHOR: MALUA, Rajabo Caetano Bernardo


 

introduction

The present work aims to address ethnology of African people in general and particularly the Ndau people. Since departing from ethnography , ethnology studies all the facts documented in the cultural and social anthropological sense , ie , compare the cultures studied by ethnography.

Basically , ethnology was understood as the study of primitive societies , is currently considered a study of the characteristics of an ethnic group ( human groups ) . The work is divided into two chapters . The term African people try to refer to people who live in Africa or people who trace their ancestry to Natural inhabitants of Africa , will speak of their cultural practices , social organization. Ndau is an ethical group inhabiting the valley of the Zambezi , Mozambique until the center of its coast and eastern Zimbabwe .

Objectives

 

Gerail :

Ø Describe the African ethnology, Ndau people.

 

specific:

Ø Define Ethnology , People, Rites , tribe , Myth , Culture concepts ;

Ø Find Africa;

Ø Find the people Ndau region.

 

methodologies

For the realization of this work was carried out the literature search and consultation on the internet .

 

 

 

ETHNOLOGY OF AFRICAN PEOPLE , Ndau

 

conceptualization

culture

 

    According to Tylor , Father of Modern Anthropology (1871 ) Culture - complex set involving knowledge , belief , art, morals , laws, customs and various other capabilities and habits acquired by man as a member of society ;

 

Or is a set of activities and way of acting , customs and instructions of a people , or means by which man adapts to the conditions of existence transforming reality .

 

myths

    According to Mircea Eliade - an exemplary story is to establish standards for human behavior .

 

To K. Marx - is an alienation , a projection , or are narratives used by ancient Greek people to explain the facts of reality and phenomena .

 

people

    group of citizens of a country that is, people who are tied to a specific legal regime , to a state .

 

rite

    is a set of otherwise regulated religious ceremonies , according to the various communions or in different societies .

 

tribe

    is the name - is given to each of the divisions of the ancient peoples , possessing a territory and some kind of command, having in common the same ancestry.

ethnology

    is the study or science of facts or documents raised by ethnography in cultural and social anthropology , seeking an analytical and comparative assessment of the crops .

 

In his original interpretation , was the study of primitive societies , however , with the development of anthropology , primitive term , was abandoned by believing that exalt ethnic prejudice .

 

So now it says that anthropology is the study of features of any ethnicity , ie , human - people group or social group that has some identifiable socio economic structure , where members generally have face to face interactions , and there is a commonality of culture and language .

 

This study aims to establish general development and corporate lines . The ethnographer observes the differences between societies since the gait and uses the body ( body techniques ) to the celebration of marriage and funerals . Should analyze the entire social life of a people and a place , especially watching what these people say of himself , and the way it identifies its participants .

 

Ethnography is one of the most important resources racism and cultural hegemony in that it provides the means to perform a critique of ethnocentrism which parcializa investigations .

 

Ethnographic studies have recovered the knowledge and techniques of the staples people as a way of ( ethno ) knowledge in several areas , such as :

- Biology ( ethnobiology ) , Pharmacology , and Botanical ( herbal ) Engineering ( boats , houses, bridges etc. ) , Psychology , Medicine etc. .

 

In this last field there is an integration between techniques ( tecne ) and know ( epsteme ) that has been called by medical anthropology and the study of ethnomedical system and shamanism .

 

 

CHAPTER I: Ethnology of African Peoples

 

Geographic Location of the African Continent

 

With about 30 million km ² , equivalent to just over 22 % of its land area of the globe , is the third largest landmass of our planet .

 

Most of the continent is located in the tropical zone , therefore the tropic of cancer cuts in the northern portion ( north ) and Capricorn in the southern portion ( south ) .

 

The predominant type of relief is plain, the plains are areas of lesser extent and are located along the coast . Dominated by warm climates .

 

It has a low, sandy shore , rarely by cliffs and jagged bit broken , so it is said that is a massive continent. Worthy recesses are highlighting the Gulf of Guinea, and the Sitre bay of Sofala . Madagascar is the largest island in Africa , is situated in the Indian Ocean.

With over 800 million people, has less than 15 % of the world population .

However , due to high birth rate existing on the African continent (it is one of the highest in the world , as well as mortality ) .

 

Composition of the population and religions

 

Africa is a continent of great ethnic , cultural and linguistic diversity .

It was the first continent to be inhabited with people called Berbers and Bantu of the first human groups together.

 

The portion of the African territory located north of the Sahara desert , is called White Africa, where predominate :

• The Arabs who conquered North Africa in the seventh century and settled in Egypt , Tunisia , Libya and eastern Algeria ;

• The Berbers constitute the most ancient peoples of the Maghreb , forming the majority of Morocco's population and mountainous regions of Algeria , between these stand out from the Tuaregs , nomadic people who live in the desert .

Both groups cited mostly profess the Muslim religion.

 

The population of the south of the Sahara desert is called Black Africa because that's where Blacks predominate , constituting a wide variety of people . Speak over a hundred different languages ​​and over 700 dialects , together with the languages ​​introduced by settlers , as the French , the English and the Portuguese .

Follow animism , ie beliefs in spirits or invisible forces that manifest themselves in all acts of life . But also practice Christianity , introduced into Africa by the colonizer .

Other groups are Black Muslims , especially Sudanese .

 

Grouping of Black people

 

• Sudanese - inhabit western Africa and already knew how to use the land and use the iron , before the arrival of European ;

 

• Bantu - constitute the largest group and occupy most of Africa (equatorial and southern region ) ;

• Nilotic - inhabit the region of the Upper Nile and are distinguished by height ;

• Hottentots - live from South Africa, who are dedicated to creating nomadic cattle ;

• Bushmen - inhabit the thorny steppe nearby Desert kalaari where live the collection and hunting ;

• Pygmies - have small statures , inhabit the rainforest and experience a level of primitive life.

 

The peoples of the African continent , often use costumes , body paint , fabrics and adornments , as the identity of its proper group.

 

Generally paints are used in ceremonies , to adorn the body or to display their style

Tribe, every painting has a different meaning . Africa is home to several tribes and ethnic groups . The continent has over 20 different groups . Each of these groups and these Tribes , which can be formed by hundreds , thousands or even millions of people have their own culture , traditions and customs .

These customs and traditions call attention to be on many curious , funny , weird , shocking or controversial cases , such as :

 

Surma tribe

 

This tribe is composed of an isolated people in southwestern Ethiopia and their wives have as usual using the wooden disc in his lower lip , usually at festive occasions also paint their bodies .

Disk size is proportional to the magnitude of the dowry ( property or money given to woman home) that the family of the bride to the groom can afford . They can only get the disk when there are no men around. For this tribe , the larger the disc, is more beautiful and rich woman .

 

Ndebele Tribe

 

The Ndebele is in Lesedi Africa , Women who inhabit wear heavy metal rings on the neck , legs , and arms , after getting married . According to them the rings serve not to flee from their husbands , and not look to the side.

 

Tribe of Nigeria

 

In some areas of Nigeria, Women make scarifications on the body , marks made with skin cuts , which represent important stages in their lives . When you heal the cuts are similar to an income . Because they do not wear clothes , scars are also aesthetic and symbol of beauty .

Brands starting to be made ​​from the age of 5 , in specific parts of the body , following a sequence . Young adult and are only considered eligible for marriage when the entire sequence of design are complete .

 

Myth function for African

 

The African nation has one of the earliest manifestations of human thought trying to dictate values ​​and concepts of human thought , and submission to their gods . There are also beliefs and ritual practices :

- A stage vanishingly more complex and asking works of nature.

 

 

CHAPTER II :

Origin and ethnology of the Ndau people

 

The origins of the Ndau people are not easy to trace because of the scarcity of sources and contradictions . However , it seems safe to say that the origins of the group are connected is fragmented kingdoms of Mon Pire Muenemutapa and the expansionary cycles linhageiros groups Shonas - Caraga , the Rozvi , the central highlands of Zimbabwe towards the coastline of the Indian Ocean.

 

The Social Organization Traditional Ndau

 

The Ndau is an ethical group inhabiting the valley of the Zambezi , Mozambique until the center of its coast and eastern Zimbabwe south of Mutare .

 

The ancestors of Swaziland Ndaus were warriors who joined with the local population , ethnically constituted by Manikas , Tewes , Barwes in Manica and Sofala . The local people of Zimbabwe , before the arrival of the Nguni , descend primarily current Mbire next Hwadza .

 

The ndaus speak a language belonging to linguistic family xona , the Ndau .

 

Geographic Location and number of speakers of the language Ndau

 

The Ndau language is spoken in the provinces of Sofala , Manica and Inhambane in the Northern zone. It is also spoken in the Republic of Zimbabwe .

According to Martin (2004 ) Ndau people located in the southern region of the African continent in central Mozambique , therefore, in Sofala province , there are more clusters in the districts Chibabava , Buzi , Machanga , Gorongosa , Nhamantada , Beira , Dondo .

 

In Manica province are in the districts of Machazi , Mussorizi and Chimoio City and northern part of Inhambane province ranging from Machacama the Mambone .

As for the number of speakers is noted that : about 581,000 Ndau speakers in Mozambique according to the data of population census 1997 .

 

Establishment of baseline variant

 

The Ndau shows regional variations in pronunciation.

For example, the coast ( Mussorisze and Machaze ) into the right words to soften R l , unlike the interior ( Buzi ) .

 

According to the classification ( Guthrie 1997) the language has the following variants :

 

Cimachanga , spoken in Machanga District , Buzi in Sofala and the District of Mambone in Inhambane . The variant has Cimashanga subdialects Cibwani and Cibhara , both spoken in the district of Buzi ;

Cidanda spoken in the district of Machazi ; Cigova spoken in the district of Buzi ; Cidondo spoken Chibambava and Buzi ; Cibangwe , spoken in Beira ; Ciqwaka , spoken in Gorongosa by a community located in the Sierra ; Cinayai , falanda on the right bank of the Save this river until Machacame Mambone ; Cindau talking on district Mussurize and Chimoio in Manica province .

 

According to Keith, ( 19870 ) is the common Ndaus traçarem its origin in the Mbire region existed in this region in the seventeenth / sixteenth century with small kingdom that was linked to the great kingdom of Muenemutapa which became more independent .

 

The kingdom of Quiteve also arises in the late fifteenth century is a further split in the kingdom of Muenemutapa . This kingdom has come to assume a certain importance especially the seventeenth century because of the interest of the Arab and Portuguese merchants in the trade of ivory and gold. Quiteve controlled a vast region , this the central plateau of the chimoio area until the lowlands near Buzi in Sofala .

The Quiteve kingdom would lose this amount from the eighteenth century , in part because of the constant infighting among members of the royal family , but also because of a lack of Arab and Portuguese , when they realized that mining was not attractive , the decline of Sofala is closely related to the decline of the kingdom of Quiteve .

 

The traditional socio- political organization

 

The first in-depth studies and systematic nature of this population , known for etnónimo Ndau , could only be made ​​in the first half of the twentieth century .

 

Several authors have postulated that the name Ndau was assigned to these populations by the invading Nguni and derived from observing the customary form of greeting before a king head , or even a foreigner this and Ndau people , which is to sit on the floor , or kneel , clap hands and screaming " Ndau ui , ui Ndau " ( Junod , 1934 Rita Ferreira , 1982) .

 

This traditional form of greeting was first described by Frei João dos Santos on its eastern Ethiopia work in 1609. It is unclear from what source the author withdrew this information or if it is speculation , however , it is certain that this view of the origin of this etnónimo Ndau at present rooted and widely accepted by these populations .

 

According Vijfhuizen (1998 ) the term Ndau literally mean , " place " associated with a traditional way of greeting.

However , according to this author the term Ndau have already used long before the arrival of Europeans , information that the author draws from the work of Keith Rennie (1987 ) .

 

Different studies conducted on the Ndau have a fairly homogeneous social structure for all populations from the border with Zimbabwe at the coastline of the Indian .

 

Division of groups Ndau

 

1. The Shangas : these mainly inhabit the coastal strip between the Save and Buzi rivers and whose main totemic clan, is Simango . Simango Mambo was the most powerful of this region lived in Chiloane .

 

2 . The gova , who inhabit the lowlands lying between the Buzi and Save rivers , whose the most important is the mutupu Nkomo .

 

3 . The Danda , who inhabit the border region of Zimbabwe and the main and also the mutupu Nkomo .

 

4 . The Tombodji , inhabiting the highlands of the Massif Central , near the border between the Save River and chiamanimani massive . The most important was the mambo of tombodji Mutema Nkomo , who lived in the current zimbabwe region.

 

5 . Had those relating to the kingdom of Quiteve ( Junod 1934) , however , is problematic

had to consider them a Ndau subgroup. Despite having common origins , seems to be different groups with aspects of social organization that are distinct , with linguistic differences .

 

Rites of Initiation

 

Initiation rites are traditional ceremonies and cultural practiced in African societies that aims to prepare the teen to face another stage of life , ie adulthood .

Essentially aim at personal, social and cultural integration of the individual, allows the individual to meet multiple influences of their environment to then integrate it into their way of thinking, acting and behaving themselves , the individual actively participates in the activities and life of the group belongs .

 

In Mozambican society , initiation rites do not manifest the way homogenic . They vary from province to province , region to region , from religion to religion , and sex for sex.

The purpose of these ceremonies is to prepare boys and girls for matrimonial and social life and the initiation rite boys and girls have access to participation and knowledge of certain mysteries .

 

Description of some Ceremonies

 

Phase of Menstruation

 

When her mother discovers her daughter the signs of menstruation or tends to make sure all fairness if the assumption is true . Wake the girl and this , for everything has been prepared in secret , startles . Send - in stand and water it every three or four times . After you take all the clothes to just put a small strip of cloth that you pass through the legs .

 

All women were seated , the godmother sits in the middle of them , extend your legs and have the girl sit with your head up and leaning against each other .

 

This attitude began to sing , explaining the girl who is not afraid that this disease is normal ; give them standard of hygiene and teach her ​​how she should do sex with your man . The godmother will explain you everything in the body gesture .

Then, a Tia or Press raises the girl , holding her legs grabbing her arms , throws and falls to the ground on her. Lift it up, grab him by the body and throws it back to the ground with all the force . This is repeated several times over the time for the girl to pay and suffer in this way by the evil he has done with his past misdeeds .

 

Dress him a large cloth that covers it completely and require a whole week to get inside the house without showering .

During this time period must abstain from eating certain foods and can not taste food with salt.

Last week , the godmother comes to bath him and also give you license to go outside. Constrict him a hut next to the house and she can not leave here without permission of the mother , nor see men or married woman, or the groom .

 

When confronting someone must cover themselves and ordinarily walks accompanied by a child to notify the proximity of people .

This season it may take up to 2 months or more than 1 year, as the difficulty in finding the family raise money to end the party.

 

Then gather them drum - naked women all day and all night teaching the girl to dance these are severe and rigorous exercise and if the girl does not know or costs you learn beyond the punishment suffering , it is a great shame for the mother .

During the night come the cerimoniados boys and married men . Come all to listen to the advice given to young , style stemmed administered or represented by allegorical figures live .

 

All this is sung to the sound of two parallel bamboo posts where everyone can play. All these stemmed , who apparently seem innocent and devoid of any sense with married life .

Mathunya / Mathindji

 

Is the dilatation of the labia minora of the female reproductive system . The young girl , this tender age , is taken by his mother to kill , to teach him to do this operation after she repeated every day until the wedding. Reach denounces them both who can give you a node but if the woman exaggerate this, men do not want to , because she had too broad and not cause them sexual pleasure .

 

Is this a social custom , today the boys are already not caring about the subject , but it is common to find girls who do not arrange marriage or are abandoned and maligned for not having it .

Its aim is to extend the entrance of the vagina to facilitate intercourse . In its ostentatious man feels pleasure. When he is sad or tired, at the end of a work day , or a trip the woman undresses to show her this and so give you joy.

 

Wedding Ndau

 

The Ndau are arranged in large social units , based on the seed patrilinear system. The wider units are more extensive family groups totem clans , designated bvumbu or dzinza in the totem is designated mutupu .

The Ndau practice exogamous marriage bvumbu because "people can not marry within the same mutupu " . However, at present , this rule is often flouted , especially among the most urbanized villages host district population , and marriage between individuals with the same mutupu , or belonging to the same bvumbu .

 

Regarding Ndau marriage , this is officially evolves when the payment Lobolo . Kulola named in Cindau , which currently consists of a monetary amount that can vary between 1 and 1.5 thousand meters , while in the pre - colonial period mainly consisted in shawls .

 

In the precolonial period, Ndau also practiced a form of direct marriage, which did not involve the use of lobola .

Example : When someone wished a woman took her daughter to return type . Left her daughter and the daughter took the other as wife. This is due to lack of money.

 

Or marriage to predominate form of residence and virilocal , yet occasionally , you could opt for a temporary uxorilocal form, ie , when a man could not lobolar a woman rendered services during a time when home -laws prior to constitute your household in the land of his father , a custom that today and practiced.

The Ndau practice today levirate , ie , a man can take ( s ) wife ( s ) and children of his deceased brother .

 

The Social Place of Spirits

Spiritual Beings

 

According to Martinez (2007 ) , through religious activity society expresses its relationship with the spiritual world : with the transcendent , the supreme being , with other spiritual beings and the invisible forces . In fact there is a supreme being , whose existence is recognized universally , although the forms and ideologies existing in the world today what supreme being is never confused with spiritual beings , and among them all takes place whenever a certain hierarchy . Without them there would be no rites as it is to them that the rites are directed .

 

One of the most important aspects in the succession process is inuciação query to the spirits of deceased mambos , as, indeed , occur in most groups of Shona origin (Land , 1987) .

In this sense, it is necessary, at first, to understand the representations that the Ndau people conceive on aspects of life and death .

 

Franz Boas , an anthropologist who used it as informate k " amba Simango , wrote in 1920 that life for Ndaus is called Vgomi . On the concept of person, it consists of two parts:

 

- The body muvili , and the spirit , bvuli .

The muvili is a kind of shadow or reflection / image of a being . After the death bvuli only do you stay alive and becomes the spirit murugo .

 

The murugo has the character and shape of the deceased. It is not in the grave as the body , more remains to live with family , is immortal , and Ndaus not believe in reincarnation .

 

The Ndaus use the term to designate Mudzimu the spirit of a family . The vadzimu (plural ) are the spirits of the musi and are lived by the remaining members that is Nhamussoro :

Example : When a dying person will be buried after that spirit , if the person has children go to son or daughter, if you do not go to another family of the deceased ( a) .

 

The vadzimu are therefore varungu of the deceased a certain family group , and their function is to protect the members of the household against any unhappiness that is caused by other spirits .

 

Since Ndaus there is no notion of chance and every event of individual and collective life are interpreted as manifestations of varungu . This protective function of vadzimu is underlined by S , so that " vadzimu are good because they help take care of life to those who have not yet died as if they were God , the vadzimu walk with God " , " and also by AI , according to which the vadzimu " is to protect the family itself are that they can , for example to protect the family from other evil spirits . " The house vadzimu do battle with those evil spirits that are coming out of the other house , not to enter the house chela " .

 

It has a huge social role of ambivalence. They are simultaneously protecting your Musi , and this resort are formed as vadzimu for their relatives , while for all other individuals can mean a huge threat. When vadzimu act outside its Mushi are known as Nbvuri .

 

Among Ndaus of Mozambique there are not , the common belief among the Shona people of Zimbabwe , on the spirit of Nhandhoro , spirit of late mambo that embodies a medium (Land 1987) . For Ndaus Nhandhoro the spirit is a spirit that leaves a lion and this connects to the work of medium, Nhamussoro .

 

 

conclusion

 

 

The finished work , we hope to have been able to achieve what we set from the beginning of this work , ie create in readers the desire to better understand the African ethnology , and facilitate the effort in understanding the contents that were explained . Since Africa has 53 countries , and among these countries each have their own way of experiencing , their culture beliefs . Throughout the work speak Ndau people, inhabiting from the Zambezi valley in Sofala to the coastal part of the Republic of Zimbabwe . These people as their origin and history were not easy to trace due to shortage of supplies .

We believe that sufficient to present the reader now have a proper understanding of the life and culture of African peoples and in particular Ndaus elements .

 

bibliography

 

ADAS , Melhem , General Geography : Economic Policy Framework and the Contemporary World , 8 ᵃ series 1st grade are Paul ed . Modern , 1979

BICA , Ismael Ismael A. Firoza , times and spaces , Harbour Publishing , 6 ᵃ class , port publisher. Portugal

EDUARDO Medeiro . Puberty Rites of Initiation , Maputo , 1982

Electronic Address : www.Google.com

FLORÊNCIO , Fernando , When Meeting of Mambo , 1 ᵃ editing , press in the social sciences , Lisbon 2005.

MARTINEZ , Francisco Lerma , Cultural Anthropology , 5 ᵃ edition, Maputo 2007

Google Tradutor para Empresas:Ferramentas do Google TradutorTradutor de Web sitesGlobal Market Finder

 

publicado por malua7rcbm às 17:45
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Março de 2014

ETNOLOGIA DOS POVOS AFRICANOS--NDAU

AUTORES:

MALUA, Rajabo Caetano Bernardo

MAUGENTE, Joao Marcos

NOTICE, Tiago Raimundo

ERNEIO, Sitifano Faustino

MANUEL, Lizete Joaquim

MUANDISSINAR, Davide

 

Introdução

O presente trabalho, visa abordar etnologia do povo africano em geral e particularmente do povo Ndau. Visto que apartar da etnografia, a etnologia estuda todos os factos documentados no sentido antropológico cultural e social, isto é, compara as culturas estudadas pela etnografia.

Basicamente, a etnologia era compreendida como o estudo das sociedades primitivas; actualmente é considerada um estudo das características de uma etnia (grupos humanos). O trabalho está divido em dois Capítulos. O termo povo africano tratam de referir a pessoas que vivem na África ou a pessoas que traçam a sua ascendência a habitantes Naturais da África, falaremos das suas práticas culturais, sua organização social. Ndau são um grupo éticos que habitam o vale do Zambeze, do centro de Moçambique ate ao seu litoral, e leste do Zimbabwe.

Objectivos

 

Gerail:

 Descrever a etnologia do povo Africano, Ndau.

 

Específicos:

 Definir os conceitos Etnologia, Povos, Ritos, Tribo, Mito, Cultura;

 Localizar África;

 Localizar região do povo Ndau.

 

Metodologias

Para a materialização do presente trabalho, efectuou-se a pesquisa Bibliográfica e a consulta na internet.

 

 

 

ETNOLOGIA DOS POVOS AFRICANOS, NDAU

 

Conceitualização

Cultura

 

Segundo Tylor, Pai da Antropologia Moderna (1871) Cultura – conjunto complexo que envolve conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes e varias outras aptidões e hábitos adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade;

 

Ou é um conjunto de actividades e modo de agir, costumes e instruções de um povo, ou meio pela qual o homem se adapta as condições de existência transformando a realidade.

 

Mitos

Segundo Mircea Eliade – uma história exemplar que tem por fim estabelecer normas para comportamento humano.

 

Para K. Marx – é uma alienação, uma projecção; ou São narrativas utilizados pelos povos gregos antigos para explicar factos da realidade e fenómenos da natureza.

 

Povo

conjunto de cidadãos de um pais ou seja, as pessoas que estão vinculadas a um determinado regime jurídico, a um estado.

 

Rito

é um conjunto de cerimónias religiosas diferentemente reguladas, segundo as diversas comunhões ou em diversas sociedades.

 

Tribo

é o nome que - se dá a cada uma das divisões dos povos antigos, possuindo um território e com algum tipo de comando, possuindo em comum a mesma ancestralidade.

Etnologia

é o estudo ou ciência que estuda os factos ou documentos levantados pela etnografia no âmbito da antropologia cultural e social, buscando uma apreciação analítica e comparativa das culturas.

 

Em sua interpretação original, era o estudo das sociedades primitivas, todavia, com o desenvolvimento da antropologia, o termo primitivo, foi abandonado por se acreditar que exaltaria o preconceito étnico.

 

Assim actualmente se diz que etnologia é o estudo de características de qualquer etnia, isto é, agrupamento Humano- povo ou grupo social que apresenta alguma estrutura sócio económica identificável, onde em geral os membros têm interacções cara a cara, e há uma comunhão de cultura e de língua.

 

Este estudo visa estabelecer linhas gerais e de desenvolvimento das sociedades. O etnógrafo observa as diferenças entre as sociedades desde o modo de andar e usa o corpo (técnicas corporais) até a celebração do casamento e dos funerais. Deve se analisar toda a vida social de um povo e um lugar, observar principalmente o que esse povo diz de si mesmo, e o modo como identifica seus participantes.

 

Etnografia é um dos mais importante recursos contra o racismo e hegemonia cultural na medida em que estabelece os meios de realizar uma critica ao etnocentrismo o que parcializa as investigações.

 

Estudos etnográficos têm recuperado os conhecimentos e técnicas dos povos agrafos como forma de (etno) conhecimento nas mais diversas áreas, como:

- Biologia (etnobiologia), Farmacologia, e Botânica (plantas medicinais) Engenharia (de barcos, casas, pontes etc), Psicologia, Medicina etc.

 

Nesse último campo há uma integração entre técnicas (tecne) e saber (epsteme) que vem sendo denominada por antropologia médica ou estudo de sistema etnomédicos e xamanismo.

 

 

CAPITULO I: Etnologia dos Povos Africanos

 

Localização Geográfica do Continente Africano

 

Com cerca de 30 milhões de km², o que equivale a pouco mais de 22% de terras emersas do globo, é a terceira maior massa continental do nosso planeta.

 

A maior parte do continente localiza-se na zona tropical, pois, o trópico de câncer corta-o na porção setentrional (norte) e o Capricórnio, na porção meridional (sul).

 

O tipo de relevo predominante é planalto, as áreas de planícies são de pouca extensão e localizam-se ao longo da costa. Predominam os climas quentes.

 

Tem uma costa baixa e arenosa, interrompida raramente por escarpas e pouco recortada, por isso diz-se que é um Continente maciço. As reentrâncias dignas de realce são o golfo de Guiné, o do Sitre e a baia de Sofala. Madagáscar é a maior ilha de África, situa-se no oceano Indico.

Com mais de 800 milhões de habitantes, tem menos de 15% da população mundial.

Contudo, em virtude de alta taxa de natalidade existente no continente africano (é uma das mais elevadas do mundo, assim como a de mortalidade).

 

Composição da população e religiões

 

África é um continente de grande diversidade étnica, cultural e linguística.

Foi o primeiro continente a ser habitado, com os povos denominados Berberes e Bantu uns dos primeiros grupos Humanos.

 

A porção do território Africano localizada ao norte de deserto de Saara, é denominada África Branca, onde predominam:

• Os árabes, que conquistaram a África do Norte no século VII e se fixaram no Egipto, Tunísia, Líbia e leste de Argélia;

• Os berberes, constituem os povos mais antigos do Magreb, formando a maior parte da população do Marrocos e das regiões montanhosas da Argélia; entre estes destacam-se os Tuaregues, povos nómados que vivem no deserto.

Os dois grupos citados professam principalmente a religião Muçulmana.

 

A população do sul de deserto de Saara é denominada África Negra pois, é ai que predominam Negros, que constituem uma variedade grande de povos. Falam mais de uma centena de línguas diferentes e mais de 700 dialectos, ao lado das línguas introduzidas pelos colonizadores, como o Francês, o Inglês e o Português.

Seguem o animismo, isto é, crenças em espíritos ou em forcas invisíveis que-se manifestam em todos os actos da vida. Contudo praticam também o cristianismo, introduzido na África pelo colonizador.

Outros grupos Negros são muçulmanos, principalmente os Sudaneses.

 

Agrupamento dos povos Negros

 

• Sudaneses – habitam a África ocidental e já sabiam utilizar a terra e utilizar o ferro, antes da chegada do europeu;

 

• Bantos – constituem o grupo mais numeroso e ocupam a maior parte de África (região equatorial e sul);

• Nilóticos – habitam a região do alto Nilo e se distinguem pela altura;

• Hotentotes – habitam da África do sul, que se dedicam a criação de gado nómada;

• Bosquimanos – habitam as estepes espinhosas das proximidades de deserto de kalaari, onde vivem da colecta e da caça;

• Pigmeus – possuem pequenas estaturas, habitam a floresta equatorial e vivem um nível de vida primitivo.

 

Os povos do continente africano, costumam usar trajes, pinturas corporais, tecidos e adornos, conforme a identidade do seu devido grupo.

 

Geralmente as pinturas são usadas em cerimónias, para enfeitar o corpo ou para exibir estilo da sua

Tribo, todas as pinturas tem um significado diferente. África abriga diversas tribos e grupos étnicos. O Continente possui mais de 20 grupos diferentes. Cada um desses grupos e dessas Tribos, que podem ser formados por centenas, milhares ou até milhões de pessoas, possuem sua própria cultura, tradições e costumes.

Esses costumes e tradições chamam atenção por serem em muitos casos curiosos, engraçados, esquisitos, chocantes ou polémicos, como por exemplo:

 

Tribo Surma

 

Este tribo é composto por um povo isolado no sudoeste da Etiópia e suas mulheres tem como costume o uso de disco de madeira em seus lábios inferiores, em ocasiões festivas também costumam pintar seus corpos.

O tamanho do disco é proporcional a grandeza do dote (bens ou dinheiro dados a Mulher que casa) que a família da noiva pode pagar ao noivo. Elas só podem tirar o disco quando não há homens por perto. Para essa tribo, quanto maior o disco, mais bonita e rica é a mulher.

 

Tribo de Ndebele

 

A Ndebele fica em Lesedi na África, as Mulheres que a habitam usam pesadas argolas de metais no pescoço, pernas, e braços, depois que casam. Segundo elas as argolas servem para não fugirem de seus maridos e nem olharem para o lado.

 

Tribo de Nigéria

 

Em algumas regiões de Nigéria, as Mulheres fazem escarificações no corpo, marcas feitas com cortes na pele, que representam fases importantes em suas vidas. Quando cicatrizam, os cortes ficam parecidos com uma renda. Como elas não usam roupas, as cicatrizes também são estéticas e símbolo de beleza.

As marcas começam a ser feitas a partir dos 5 anos de idade, em partes específicas do corpo, obedecendo uma sequência. As jovens só são consideradas adultas e aptas para o casamento quando toda a sequência de desenho estiverem completas.

 

Função de Mito para os Africanos

 

O povo africano tem uma das mais antigas manifestações do pensamento humano tentando ditar valores e conceitos sobre o pensamento humano, e a submissão aos seus Deuses. Também há crenças e as praticas rituais:

- Um estagio infimamente mais complexo e que pede obras de natureza.

 

 

CAPITULO II:

Origem e a etnologia do povo Ndau

 

As origens do povo Ndau não são fáceis de traçar devido a escassez de fontes e as contradições existentes. Contudo, parece seguro afirmar que as origens do grupo se encontram ligadas é fragmentação dos reinos do Muenemutapa e Dom Pire aos ciclos expansionistas de grupos linhageiros Shonas-Caraga, os Rozvi, dos planaltos centrais do Zimbabwe na direcção da costa litoral do indico.

 

A organização Social Tradicional Ndau

 

Os Ndau são um grupo éticos que habitam o vale do Zambeze, do centro de Moçambique ate ao seu litoral, e leste do Zimbabwe ao sul do Mutare.

 

Os ancestrais dos Ndaus eram guerreiros da Suazilândia que se juntaram com a população local, constituída etnicamente por Manikas, Tewes, Barwes nas províncias de Manica e Sofala. A população local do Zimbabwe, antes da chegada dos Nguni, descenderia primordialmente de Mbire próxima actual Hwadza.

 

Os ndaus falam um idioma que pertencem a família linguística xona, o ndau.

 

Localização Geográfica e Número de Falantes da língua Ndau

 

A língua Ndau é falada nas províncias de Sofala, Manica e na zona Setentrional de Inhambane. Também é falado na República de Zimbabwe.

Segundo Martinho (2004) o povo Ndau localiza-se na região sul do continente africano na região central de Moçambique, pois, na província de Sofala encontram se mais aglomerados nos distritos de Chibabava, Buzi, Machanga, Gorongosa, Nhamantada, cidade da Beira, Dondo.

 

Na província de Manica estão nos distritos de Machazi, Mussorizi e na Cidade de Chimoio e parte setentrional da província de Inhambane vão desde de Machacama à Mambone.

Quanto ao número de falantes é de referir que: há cerca de 581.000 falantes de Ndau em Moçambique segundo os dados do Censo populacional de 1997.

 

Estabelecimento da variante de referência

 

O Ndau apresenta variações regionais na pronúncia.

Por exemplo, no litoral (Mussorisze e Machaze) em certas palavras abrandam o R para l, ao contrário dos do interior ( Buzi).

 

Segundo a classificação de (Guthrie 1997) a língua tem as seguintes variantes:

 

Cimachanga, falado no Distrito de Machanga, Buzi, em Sofala e, no Distrito de Mambone, em Inhambane. A variante Cimashanga tem Subdialectos Cibwani e Cibhara, ambos falados no distrito de Buzi;

Cidanda falado no distrito de Machazi; Cigova falado no distrito de Buzi; Cidondo falado de Chibambava e de Buzi; Cibangwe, falado na cidade da Beira; Ciqwaka, falado em Gorongosa por uma comunidade localizada na Serra; Cinayai, falanda na direita da margem do rio Save deste de Machacame ate Mambone; Cindau falando no distrito de Mussurize e em Chimoio, na província de Manica.

 

Segundo keith, (19870) é comuns os Ndaus traçarem a sua origem na região do Mbire, existia nesta região, nos século XVII/XVI com pequeno reino que esteve ligado ao grande reino de Muenemutapa mais que se teria tornado independente.

 

O reino de Quiteve surge igualmente nos finais do século XV representa mais uma cisão no reino de Muenemutapa. Este reino veio assumir uma certa importância sobretudo o século XVII em virtude do interesse dos mercadores árabes e portugueses no comércio de marfim e ouro. Quiteve controlava uma vasta região, deste o planalto central da zona do chimoio ate as terras baixas do Buzi perto de Sofala.

O reino Quiteve viria perder esta importância a partir do século XVIII, em parte devido as constantes lutas internas entre os membros da família real, mas também em virtude do desinteresse dos árabes e dos portugueses, quando se aperceberam que a exploração mineira não era atractiva, o declínio de Sofala está intimamente relacionado com o declínio do reino de Quiteve.

 

A organização sócio -politica Tradicional

 

Os primeiros estudos aprofundados e de carácter sistemático sobre esta população, conhecido por etnónimo Ndau, só seriam efectuados na primeira metade do Século XX.

 

São vários os autores que postulam que o nome Ndau foi atribuídas a estes populações pelos invasores Nguni e deriva da observação da forma de saudação costumeira perante um rei Chefe, ou mesmo um estrangeiro desta e populações Ndau, que é a de se sentar no chão, ou ajoelharem, e bater as palmas gritando “Ndau ui ui, Ndau ui ui” (Junod, 1934,Rita Ferreira, 1982).

 

Esta forma tradicional de saudação foi descrita pela primeira vez por Frei João dos Santos na sua obra ethiopia oriental, de 1609. Não é claro, a partir de que fonte este autor retirou esta informação ou se ela não passa de especulação; contudo, é certo que esta concepção sobre a origem do etnónimo Ndau esta na actualidade amplamente enraizada e aceite por estas populações.

 

Segundo Vijfhuizen (1998) o termo Ndau significaria literalmente, “lugar” associado a uma forma tradicional de saudação.

No entanto, segundo esta autora o termo Ndau já teria utilizado muito antes da chegada dos europeus, informação essa que a autora retira da obra de Rennie Keith (1987).

 

Os diferentes estudos elaborados sobre os Ndau apresentam uma estrutura social bastante homogénea para o conjunto das populações desde a fronteira com o Zimbabwe ao litoral do indico.

 

Divisões dos grupos Ndau

 

1. Os Shangas: estes habitam principalmente a faixa costeira entre os rios Save e Buzi e cujo o clã totémico principal, é o Simango. Simango foi o Mambo mais poderoso desta região, vivia em Chiloane.

 

2. Os gova, que habitam as terras baixas situadas entre os rios Buzi e Save , cujo o mutupu o mais importante é o Nkomo.

 

3. Os Danda, que habitam a região fronteira ao Zimbabwe e cujo mutupu principal e igualmente o Nkomo.

 

4. Os Tombodji, que habitam as terras altas do maciço central, junto da fronteira, entre o rio Save e o maciço chiamanimani. O mambo mais importante dos tombodji era o mutema nkomo, que vivia numa região do actual zimbabwe.

 

5. Os Teve, ligados ao reino de Quiteve (Junod 1934), no entanto,é bastante problemático

considerar os teve um subgrupo Ndau. Apesar terem origens comuns, parece ser grupos diferentes, com aspectos da sua organização social que são distintos, com diferenças linguísticas, significativas.

 

Ritos de Iniciação

 

Ritos de iniciação são cerimónias de carácter tradicional e cultural praticado nas sociedades africanas que visa preparar o adolescente para encarar a outra fase da vida, isto é, a fase adulta.

Visam essencialmente a integração pessoal, social e cultural do indivíduo, permite ao indivíduo reunir múltiplas influências do seu meio para em seguida integrá-la na sua maneira de pensar, de agir e de si comportar, o indivíduo participa activamente nas actividades e na vida do grupo que pertence.

 

Na sociedade moçambicana, os ritos de iniciação não se manifestam de maneira homogénica. Eles variam de província para província, de região para região, de religião para religião, e de sexo para sexo.

O objectivo destas cerimónias é de preparar os rapazes e as raparigas para a vida matrimonial e social e com o rito de iniciação os rapazes e as raparigas têm o acesso a participação e ao conhecimento de certos mistérios.

 

Descrição de algumas Cerimónias

 

Fase de Menstruação

 

Quando a mãe descobre na filha os sinais de menstruação ou tende certificar-se bem da verdade se é real a suposição. Acordam a menina e esta, por tudo ter sido preparado em segredo, assusta-se. Mandam-na pôr de pé e molham-na toda três ou 4 vezes. Depois tiram-lhe toda a roupa para só lhe colocar uma pequena tira de pano que -lhe passa por entre as pernas.

 

Todas as mulheres se sentam, a madrinha senta-se no meio delas, estende as pernas e manda sentar a rapariga com a cabeça levantada e encostada a si.

 

Nesta atitude começam a cantar, explicando a rapariga que não tenha medo que aquela doença é normal; dão-lhes norma de higiene e ensinam-lhe como ela deve fazer acto sexual com o seu homem. A madrinha vai lhe explicando tudo com gesto no corpo.

Seguidamente uma Tia ou Prima levanta a rapariga, prende-lhe as pernas agarram-lhe os braços, deita a por terra e cai sobre ela. Levanta-a, agarram-lhe pelo corpo e atira-a de novo ao chão com toda a forca. Isto repete-se várias vez as vezes seguidas para que a menina pague e sofra desta maneira pelo mal que fez com as suas maldades passadas.

 

Vestem-lhe um pano grande que a cobre totalmente e obrigam a ficar uma semana inteira dentro de casa sem tomar banho.

Durante este período de tempo deve abster-se de comer certas comidas e não pode provar alimento com sal.

Passada a semana, a madrinha vem-lhe dar banho e dão-lhe também licença para sair fora de casa. Contraem-lhe uma palhota ao lado da casa e ela não se pode ausentar daqui sem licença da mãe, nem ver homens ou mulher casados, nem o noivo.

 

Quando depara com alguém deve cobrir-se e, ordinariamente, anda acompanhada de uma criança para a avisar da proximidade das pessoas.

Esta temporada pode demorar 2 meses ou ate mais de 1 ano conforme a dificuldade que a família encontrar em arranjar dinheiro para acabar a festa.

 

Depois reúnem-se as mulheres nuas batucam, todo o dia e todo a noite ensinando a rapariga a dançar são severas e rigorosas nestes exercícios e se a rapariga não sabe ou lhe custa aprender alem dos castigos que sofre, é uma grande vergonha para a mãe.

Durante a noite chegam os rapazes cerimoniados e os homens casados. Vem todos para ouvir os conselhos dado a rapariga, administrado em estilo de advinha ou representadas ao vivo por figuras alegóricas.

 

Tudo isso é cantado ao som de dois bambus postos em paralelos onde todos podem tocar. Todas estas advinham, que aparentemente nos parecem inocentes e desprovidas de qualquer sentido com a vida matrimonial.

Mathunya/Mathindji

 

É a dilatação dos pequenos lábios do aparelho sexual feminino. A rapariga, desta tenra idade, é levada pela mãe ao mato, para lhe ensinar a fazer esta operação que ela depois repetira todos os dias, até no casamento. Chegam a delata-los tanto que conseguem dar-lhe um nó mas se a mulher exagerar esta operação, os homens não a querem, por ela ter alargado demasiado e não lhes causar prazer sexual.

 

É este um costume social, hoje os rapazes estão já em não se importarem com o assunto, mas é frequente encontrar raparigas que não arranjam casamento ou são abandonadas e difamadas por não terem isso.

O seu fim é alargar a entrada da vagina para facilitar o acto sexual. Na sua ostentação sente o homem prazer. Quando ele esta triste ou cansado, no fim de um dia de trabalho, ou de uma viagem a mulher despe-se para lhe mostrar isso e assim lhe dar alegria.

 

Casamento dos Ndau

 

Os Ndau estão organizados em grandes unidades sociais, com base no sistema de descendência patrilinear. As unidades mais vastas são os grupos familiares mais extensos, clãs totémicos, designados por bvumbu ou dzinza, em que o totem é designado por mutupu.

Os Ndau praticam o casamento exogamico entre bvumbu, pois”as pessoas não podem casar dentro do mesmo mutupu”. No entanto, actualmente, esta regra é frequentemente desrespeitada, sobre tudo entre a população mais urbanizada das vilas-sede de distrito, e casamento entre indivíduos com o mesmo mutupu, ou pertencendo ao mesmo bvumbu.

 

No que respeita ao casamento Ndau, este é oficializado quando evolve o pagamento do lobolo. Denominado kulola em Cindau, que actualmente consiste numa quantia monetária que pode variar entre 1 e 1.5 mil de mts, enquanto na época pré-colonial consistia maioritariamente em capulanas.

 

No período pré-colonial, os Ndau praticavam também uma forma de casamento directo, que não implicava o uso do lobolo.

Exemplo: Quando alguém pretendesse uma mulher levava a sua filha para fazer tipo troca. Deixava a sua filha e levava a filha do outro como esposa. Isto por falta de dinheiro.

 

Ou no casamento a forma predominate de residência e a de virilocal; contudo, ocasionalmente, era possível optar por uma forma uxorilocal temporário, ou seja, quando um homem não podia lobolar uma mulher prestava serviços durante um tempo em casa dos sogros antes de constituírem o seu agregado familiar nas terras do pai, costume que ainda hoje e praticado.

Os ndau praticam ainda hoje o levirato, ou seja, um homem pode tomar a (s) esposa (s) e filhos do seu falecido irmão.

 

O lugar Social dos Espíritos

Seres Espirituais

 

Segundo Martinez (2007), através da actividade religiosa a sociedade exprime o seu relacionamento com o mundo espiritual: com o transcendente, o ser supremo, com os restantes seres espirituais e com as forcas invisíveis. De facto há um ser supremo, cuja existência é reconhecida universalmente, apesar das formas e ideologias até hoje existentes no mundo o ser supremo nunca é confundido com os seres espirituais e entre todos eles dá-se sempre uma determinada hierarquização. Sem eles não haveria ritos, pois é a eles que os ritos são dirigidos.

 

Um dos aspectos mais relevantes no processo de sucessão é a inuciação da consulta aos espíritos dos falecidos mambos, como, de resto, acontecem na maioria dos grupos de origem Shona (Land, 1987).

Neste sentido, torna se necessário, no primeiro momento, compreender as representações que as populações Ndau concebem sobre os aspectos da vida e da morte.

 

Franz Boas, antropólogo que usou como informate k”amba Simango, escrevia em 1920 que a vida para os Ndaus designa-se por Vgomi. Sobre o conceito de pessoa, ela é constituído por duas partes:

 

- O corpo, muvili, e o espírito, bvuli.

O muvili é uma espécie de sombra, ou o reflexo/imagem de um ser. Após a morte só o bvuli é que se mantém vivo e transforma-se no espírito, murugo.

 

O murugo tem o carácter e a forma do falecido. Não fica no túmulo como o corpo, mais fica a viver com a família, é imortal, e os Ndaus não acreditam na reencarnação.

 

Os Ndaus utilizam o termo Mudzimu para designarem o espírito de uma família. Os vadzimu (plural) são os espíritos de musi e ficam a habitar junto dos restantes membros que é Nhamussoro:

Exemplo: Quando morrer a pessoa vai se a enterrar, depois aquele espírito, se a pessoa tiver filhos vão para filho ou para filha, caso não tiver vão para outra família daquele falecido(a).

 

Os Vadzimu são, pois, os varungu dos falecidos de determinado grupo familiar, e a sua função é de proteger os membros desse agregado contra todo e qualquer infelicidade que seja provocado por outros espíritos.

 

Uma vez que os Ndaus não existe a noção de acaso e todos os acontecimentos da vida individual e colectiva são interpretados como manifestações dos varungu. Esta função protectora dos vadzimu é sublinhada por S, para que “os vadzimu são bons porque ajudam a cuidar da vida aos que ainda não morreram como se fossem Deus, os vadzimu andam junto de Deus”, “ou também por AI, segundo o qual os vadzimu” é para a protecção da própria família são eles que podem, por exemplo proteger a família de outros espíritos maus. “Os vadzimu da casa fazem luta com aqueles espíritos maus que estiverem a sair da outra casa, para não entrarem na quela casa”.

 

Tem um papel social de enorme ambivalência. Eles são simultaneamente protectores de seu Musi, e nesta estância constituem-se como Vadzimu para os seus parentes, enquanto para todos os outros indivíduos podem significar uma enorme ameaça. Quando os vadzimu actuam no exterior do seu Musi são conhecidos como Nbvuri.

 

Entre os Ndaus de Moçambique não existem a crença, comum entre os povos Shona do Zimbabwe, sobre o espírito de Nhandhoro, espírito de falecido mambo que encarna num médium (Land 1987). Para os Ndaus o espírito Nhandhoro, é um espírito que sai num leão e esta liga do aos trabalhos de médium, Nhamussoro.

 

 

Conclusão

 

 

Terminado o trabalho, esperamos ter conseguido alcançar o que propusemos desde o inicio deste trabalho, isto é, criar nos leitores o desejo de entender melhor a etnologia africana, e facilitar o esforço na compreensão dos conteúdos que foram explicadas. Visto que África tem 53 países, e dentre esses países cada tem sua maneira de vivencia, sua cultura suas crenças. Ao longo trabalho falamos do povo Ndau, que habita desde o vale do Zambeze em Sofala até na parte litoral da República de Zimbabwe. Esse povo quanto a sua origem e história não foram fáceis de traçar devido a escassez de fontes.

Cremos que apresentamos os elementos suficiente para o leitor ter agora uma compreensão adequada da vida e cultura dos povos africanos e em particular dos Ndaus.

 

Bibliografia

 

ADAS, Melhem, Geografia Geral: Quadro político e Económico do Mundo Actual, 8ᵃ série 1º grau são Paulo ed. Moderna, 1979

BICA, Ismael A. Ismael Firoza, Tempos e espaços, Porto editora, 6ᵃ classe, porto editora. Portugal

EDUARDO Medeiro. Ritos de Iniciação da Puberdade, Maputo, 1982

Endereço Electrónico: www.Google.com

FLORÊNCIO, Fernando, Ao Encontro dos Mambos, 1ᵃ edição, imprensa de ciências sociais, Lisboa 2005.

MARTINEZ, Francisco Lerma, Antropologia Cultural, 5ᵃ edição, Maputo, 2007

publicado por malua7rcbm às 16:38
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

subsistema do sistema nacional de educação de Moçambique

Autor: MALUA, Rajabo Caetano Bernardo

 

 

 

 

Introdução

 

O presente trabalho baseia-se no subsistema do sistema nacional de educação de Moçambique. O fruto deste é o resultado de uma investigação bibliográfica na qual pretendo fazer luz sobre o tema em causa, esclarecendo conceitos fundamentais, abrir horizontes e apresentar directrizes básicas que podem pela generalidade compreender as diversas perspectivas sobre a estrutura do sistema educativo.

Ao longo desse tema foram desenvolvidos vários aspectos sobre o tema tais como: seus fundamentos, princípios, objectivos, estrutura e modalidade do subsistema do sistema nacional de educação que tem por objectivo imediato o desenvolvimento integral do aluno e sua integração na sociedade.

Com propósito metodológico, recorri a pesquisas bibliográficas, a uma vista de olhar nos serviços electrónicos (internet), seguindo da compilação da informação recolhida fez se o que a seguir nos é apresentado. Para a realização do trabalho passei por vários objectivos sendo que o

 

Objectivo Geral:

    Analisar o Subsistema do Sistema Nacional de Educação.

 

Entretanto para uma melhor efectivação do trabalho e enquadramento dos conteúdos tive que deduzir o meu objectivo primordial em pequenas metas. Deste modo apresentei como objectivos específicos:

    Conceituar a educação, ensino e subsistema;

    Descrever os subsistemas do sistema nacional de educação.

Porem para a concretização do trabalho fez uso do método de consulta bibliográfica como forma de finalizar o trabalho.

 

 

Subsistema do Sistema Nacional de Educação

Conceitos

 

Um Subsistema é um sistema que faz parte de um outro sistema.

 

Sistema

é um conjunto de elementos, partes ou órgão dinamicamente relacionados e interdependente que desenvolvem uma actividade ou função para atingir certos objectivos.

 Educação

é um processo pelo qual a sociedade forma seus valores, membros, imagem em função dos seus interesses. (GOLIAS, 1993)

                                                                                                                                                     

Educação é toda influência que o ser humano recebe do meio ambiente, durante a sua existência no sentido, de se adaptar as normas, valores sociais vigentes e aceites. (CHIAVENATO)

                                                                                                                                                         

Secção I: Composição e Níveis

Artigo 8: Subsistemas

 

O Sistema Nacional de Educação é constituído pelos seguintes subsistemas:

 

    Subsistema de Educação Geral;

    Subsistema de Educação de adultos;

    Subsistema de Educação técnico profissional;

    Subsistema de Formação de Professores e;

    Subsistema de Educação Superior.

 

Artigo 9: Níveis

 

O Sistema Nacional de Educação está estruturado em quatro níveis de ensino que são de digno de menção:

    Nível Primário;

    Nível Secundário;

    Nível Médio e;

    Nível Superior.

                                                                                                                                 

Sessão II: Subsistema de Educação Geral

Artigo 11: Caracterização

                                                                                                                                                                

1.    O Subsistema de Educação Geral é o eixo central do sistema nacional de educação e confere a formação integral e politécnica, base para o ingresso em cada nível dos diferentes subsistemas.

                                                                                                                                                                

2.    O Subsistema de Educação Geral compreende:

 

    Ensino Primário;

    Secundário e

    Pré-Universitário

                                                                                                                                                                

3.    A educação pré-escolar e o ensino especial e vocacional fazem parte do subsistema de educação geral.

4.    O Subsistema de Educação Geral é frequentando em princípio, por jovens dos 7 aos 19 anos.

                                                                                                                                                           

Artigo 12: Objectivos

 

São objectivos do Subsistema de Educação Geral:

1.    Assegurar o direito a educação toda as crianças e jovens moçambicanos, com base na escolaridade obrigatória e universal.

2.    Dar uma formação integral e unificada, assente no conhecimento dos fundamentos das ciências e das técnicas no desenvolvimento das capacidades intelectuais, físicas e manuais, e na aquisição de uma educação político-ideológica, politécnica, estética e ética

 

3.      Desenvolver na juventude moçambicana as qualidade básicas do homem novo com uma personalidade personalista dotada.

4.    Dar uma formação que responda as necessidades matérias e culturais do desenvolvimento económico e social do país.

 

5.    Detectar e incentivar aptidões, habilidades e capacidades especiais nomeadamente intelectuais, técnicas, artísticas, desportivas e outras.

6.    Proporcionar uma educação especial e adequada para crianças e jovens deficientes e dificuldades de integração social.

                                                                                                                                                                 

Artigo 13: Educação Pré-Escolar

 

1.    A educação pré-escolar destina-se as crianças com idade inferior a 7 anos e realiza-se em creches e jardins-de-infância.

2.    É o objectivo da educação pré-escolar estimular o desenvolvimento psíquico, físico intelectual das crianças e contribuir para formação da sua personalidade, integrando as crianças num processo harmonioso de socialização favorável ao pleno desabrochar das suas aptidões e capacidades.

 

Artigo 14: Ensino Primário

 

1.    O ensino primário compreende as sete primeiras classes e é frequentado em princípios por crianças dos 7 aos 14 anos e compreende dois graus.

    1º Grau, da 1ª à 5a classes;

    2º Grau, da 6a à 7a classes.

 

Este ensino prepara os alunos para acesso ao nível secundário dos diferentes níveis.

 

Objectivos

 

São objectivos deste nível:

    Dar aos alunos uma formação básica nas áreas da comunicação, das ciências naturais, sociais, político-ideológica, histórico-cultural, matemática e da educação física;

    Dar conhecimento de técnicas básicas e desenvolver aptidões de trabalho manual, atitudes e convicções que proporcionem o ingresso na vida produtiva;

    Assegurar uma formação básica da personalidade socialista integrando os alunos na prática revolucionaria, dotando-os de capacidade de compreensão dos factos sociais e económicos do país;

 

Artigo 15: Ensino Secundário

 

1.    O Ensino Secundário, 2º nível de Educação Geral, compreende três classes, 8ª, 9ª, 10ª e é frequentado, em princípio por jovens dos 14 aos 17 anos. O ensino prepara os alunos para o ingresso no nível médio dos vários subsistemas.

 

2.    O Ensino Secundário visa ampliar, aprofundar e consolidar a formação adquirida e deve principalmente:

    Aumentar os conhecimentos nas áreas da comunicação, ciências matemáticas, naturais e sociais, político-ideológica, histórico-cultural e da educação física, desenvolver capacidades de aplicação de métodos de trabalho e pensamento científico;

 

Artigo 16: Ensino Pré-universitário

 

1.    O Ensino Pré-Universitário, 3º nível de educação geral, compreende duas classes, 11ª e 12ª, e é frequentado em princípio por jovens dos 17 aos 19 anos. Este nível da uma formação ampliada, consolidada e aprofundada, preparando os alunos para o ingresso no nível superior.

 

2.    São objectivos de ensino pré-universitário:

 

    Consolidar, ampliar e aprofundar os conhecimentos dos alunos nas ciências matemáticas, naturais e sociais, político-ideológica, histórico-cultural e da educação física, permitindo o domínio a compreensão dos fundamentos teóricos de uma visão cientifica da realidade nacional e internacional, do processo de desenvolvimento da natureza, da sociedade e do pensamento;

    Desenvolver o pensamento lógico, abstracto e a capacidade de avaliar a aplicação a aplicação de modelos e métodos científicos na resolução de problemas da prática real;

    Levar o aluno a assumir a posição do homem como ser transformador do mundo, da sociedade e do pensamento.  

 

Ensino Superior

 

1.    Ao ensino superior compete, assegurar a formação ao nível mais alto de técnicos e especialistas nos diversos domínios do conhecimento científicos necessários ao desenvolvimento do país.

2.    O ensino superior realiza-se em estreita ligação com a investigação científica.

3.    O ensino superior destina-se aos graduados com a 12a classe do ensino geral ou equivalente.

 

Artigo 18: Ensino Especial

 

1.    O ensino especial consiste na educação de crianças e jovens com deficiências físicas e mentais ou difícil enquadramento social e realiza-se em escolas especiais.

2.    É objectivo do ensino especial proporcionar uma formação que permita a integração destas crianças e jovens na sociedade e na vida laboral.

 

Artigo 19: Ensino Vocacional

 

Ensino Vocacional

 

Ensino vocacional consiste na educação de jovens que demonstram especiais talentos e aptidões particulares nos domínios das artes, ciências, educação física e outros e realiza-se em escolas vocacionais.

 

1.     A formação vocacional é feita sem prejuízo da formação básica e geral, própria do subsistema de educação geral, de forma a permitir um desenvolvimento global e equilibrado da personalidade do aluno.

 

Secção III: Subsistema de Educação de Adultos

Artigo 20: Caracterização

 

Ao sistema de educação de adultos competição e a educação da população maior de 15 anos, de modo a assegurar uma formação geral e o acesso aos vários níveis da educação técnico-profissional, educação superior e formação de professores

O subsistema de educação de adultos compreende: Ensino Primário; Ensino Secundário e Ensino pré-universitário. 

 

Ensino a Distância

 

O ensino a distancia, mediante o recurso as novas tecnologias de informação constitui não só uma forma complementar do ensino regular, mas também uma modalidade alternativa do ensino escolar, na qual tem a sua particular tendência na formação de professores.

 

Secção IV: Subsistema de Educação Técnico-Profissional

Artigo 26: Caracterização

 

O subsistema de educação técnico-profissional constitui o principal instrumento para a materialização da política de formação da força de trabalho qualificada em resposta as exigências do desenvolvimento económico e social do país.

O subsistema de educação técnico-profissional compreende: Ensino Elementar Técnico-Profissional; Ensino Básico Técnico-Profissional e Ensino

 

Médio Técnico-Profissional.

Secção V: Subsistema de Formação de Professores

Artigo 32:

 

Caracterização

 

O subsistema de formação de professores assegura uma qualificação pedagógica, metodológica, científica e técnica do corpo docente para os vários subsistemas e tem um carácter profundamente ideológico que confere ao professor a consciência de classe que o torna capaz de educar o aluno nos princípios marxismo-leninismo.

 

O subsistema de formação de professor compreende dois níveis: nível Médio e nível Superior. 

 

Secção VI: Subsistema de Educação Superior

Artigo 36: Caracterização

 

O subsistema de educação superior realiza a formação de profissionais técnicos e científicos com um alto grau de qualificação e um profundo conhecimento da realidade nacional e das leis do desenvolvimento da natureza, da sociedade e do pensamento para a participarem no desenvolvimento e defesa do país e da Revolução.

Este subsistema destina-se aos estudantes que terminaram o nível médio da educação geral ou equivalente.

 

Objectivos

- Assegurar o alto grau de formação político-ideológico, cientifica, técnica e cultural num ramo ou especialidade das diferentes esferas de actividade produtiva e social, que confira aos jovens e adultos capacidades.

 

 

Bibliografia

 

GOMEZ, Miguel Buendia (1999). Educação Moçambicana Historia de um processo: 1992-1984.Maputo:Livraria Universitária.

Sistema Nacional de Educação, Linhas Gerais e lei no 6/92.

Sistema Nacional de Educação, Linhas Gerais e lei no 4/83.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por malua7rcbm às 16:19
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

MACURRUNGO, Estrutura Etaria da Populaçao

Autores: MALUA, Rajabo Caetano Bernardo

MAUGENTE, Joao Marcos 

ERNEIO, Sitifano Faustino

MANUEL, Lizete Joaquim

NOTICE, Tiago Raimundo.

 

  Os autores deste trabalho, sao cursista do Curso de Geografia pela Faculdade de Ciencias Sociais na Universidade Pedagogica-Beira, que lhes serviou como elemento de avaliaçao na Cadeira de Geografia da Populaçao e Povoamento em 2013.

 

 

Introdução

O presente trabalho, abordará sobre a Estrutura Etária da População do Bairro Municipal de Macurungo no Posto Administrativo Municipal de Chiveve, Cidade da Beira.

Para a realização do trabalho passamos por vários objectivos sendo que o objectivo Geral é:

ü  Analisar a Estrutura Etária da População do Bairro Municipal de Macurungo.

ü  Entretanto para uma melhor efectivação do trabalho e enquadramento dos conteúdos tivemos que deduzir o nosso objectivo primordial em pequenas metas. Deste modo apresentamos como a região norte de Moçambique;

Objectivos específicos:

ü  Conceituar a população do bairro;

 

Porem para a concretização do trabalho fez uso do método de consulta bibliográfica como forma de finalizar o trabalho.

 

Estrutura etária da população do bairro municipal do Macurungo

Para o estudo de uma população, a sua estrutura etária, recorresse a pirâmide etária nos quais encontramos os seus dados mais importantes que são a idade e o sexo dessa população.     

Conceitos

Estrutura etária

é a repartição da população por grupos de idade. Segundo Matos (1990:60)

 

População activa

é aquela que exerce uma actividade remunerada (ainda que eventualmente desempregada). Idem Matos (1990:60) 

 

População activa

é segundo OIT (organização internacional de trabalho), citado por Falcão, como conjunto de indivíduos que constituem mão-de-obra disponível para a produção de bens e serviços económicos.   

 

Classes Ocas

são segundo Matos (199:60) a representação da menor população em relação a classe etária seguinte.

Para SILVA (1990:30), classes Ocascorrespondem a uma forte mortalidade nas respectivas gerações devido as epidemias e movimento da população.

Localização Físico Geográfica do Bairro Municipal Do Macurungo

Macurungo, é o oitavo bairro do Município da Cidade da Beira, situado no Posto Administrativo Urbano Numero Um (Chiveve).

 

Limites

Norte: Bairro do Aeroporto

Este: Bairro de Macuti e Estoril

Oeste: Bairro de Matacuane e Munhava

Sul: Bairro de Macuti.

 

Macurungo encontra-se dividido por quatro Unidades Comunais (A, B, C e D), 24 quarteirões, 4382 casas e com uma população cerca de 20,988 habitantes nos quais 10,647 são Homens e 10,341 Mulheres. Destaca-se a unidade comunal “A” sendo a mais povoada com cerca de 8211 habitantes e a menos povoada a unidade comunal “D” com cerca de 1585 habitantes. Segundo mapa estatístico do bairro municipal de Macurungo, 2012.

Interpretação da pirâmide etária

Matos (1990:60), afirma que na interpretação de uma pirâmide de idade, deve se observar antes porem:

ü  A percentagem da população dos grandes grupos de unidades (jovens, adultos e velhos);

ü  Detectar as suas assimetrias;

ü  Identificar as classes ocas;

ü  Tentar encontrar justificações para essas irregularidades recorrendo a história do local em questão (epidemias, guerras, politicas de limitação dos nascimentos);

ü  Relacionar a forma de pirâmide com as características etárias da populaçao;

ü  Relacionar a forma de pirâmide com o passado e avaliar as implicações socioeconómicas da actual situação;

ü  Prever a possível evolução demográfica.    

Análise da pirâmide etária do bairro de Macurungo

Segundo os dados de recenseamento geral da população e habitação realizada em 2007, em relação ao bairro em estudo, na construção da sua pirâmide etária ela representa-se de modo seguinte:

 

 

Analise Geral

Na análise geral de uma pirâmide, aqui pretende-se analisar o comportamento entre a base, o topo e as diferenças entre sexos.

 

Base

Ela apresenta-se de uma forma muito larga, o que lhe confere características de gráfico de países pobres.

 

Topo

Apresenta-se de uma forma estrita, o que nas análises pormenorizadas, pode interpreta-se que há grandes índices de mortalidade e pequena esperança média de vida.

 

Diferença entre sexo

Em relação as diferenças entre sexo, constatamos que a classe oca é a do sexo feminino com um total de 10341 habitantes.

Analise pormenorizada:

Quando nos redigimos a análise pormenorizada, queremos nos referir como se caracteriza esta população em relação a natalidade, mortalidade, esperança de vida e os seus acidentes demográficos.

 

Natalidade

Constatamos que nascesse muito.

 

Mortalidade

Quanto a mortalidade, também é de dizer que morresse muito, visto que o seu topo é muito estreito, e uma vez que a pirâmide tende a alargar-se na faixa dos adultos, logo percebe-se que há registos de elevado número de imigrantes.

 

Esperança média de vida.

Em relação a esperança média de vida da população de bairro do Macurungo, segundo os dados que nos é apresentado na pirâmide, constatasse que é muito pouca.

 

Acidentes Demográficos

Destaca-se nos acidentes demográficos, as epidemias relacionadas com as condições habitacionais, de saneamento, e migração.

Importância do estudo da estrutura etária

Silva (1990:32), vê a importância do estudo da estrutura etária da população como meio para a previsão e resolução dos eventuais problemas dessa população.

Visto que jovens e velhos são indivíduos que dependem da população activa, esta dependência vai custar cada vez mais cara num futuro que é preciso prever:

ü  Quando o número de jovens em idade escolar aumenta, é preciso criar escolas e planear e promover postos de trabalhos para a juventude que irá procurar o primeiro emprego;

ü  Quando o número de idosos aumenta, é preciso criar estruturas de apoio aos reformados e idosos. 

Para Falcão (1992:88), a importância do estudo da estrutura da população serve para analisar o conjunto de características de uma população que pode ter repercussões, no trabalho e na economia de um país. Estas características podem ser biológicas (sexo e idade), culturais (língua) e socioprofissionais (actividades laboral).

Situação habitacional

Em relação a situação habitacional do bairro de Macurungo, predomina a construção de tipo Precária, Mini Convencional e em pequenas proporções convencional. Nota-se neste bairro, como sendo um dos bairros com bom ordenamento de espaço apesar desse verificar enchentes de água quando ocorre a queda fluviométrica devido alguns problemas de saneamento o que em algum momento pode influenciar no surgimento de algumas doenças, como no caso das doenças endémicas (cólera, malária e diarreia).  

Relação de Trabalho

Quando nos referimos de relação de trabalho, queremos dizer o sector de actividade que uma dada comunidade se dedica. Constatamos no bairro de Macurungo que o maior sector de actividade que ocupa maior número da população é o sector primário, secundário e terciário.      

Nível de Escolaridade

Nota-se nesta comunidade, que a maioria da população não é letrada e que nos últimos anos devido aos objectivos de milénio tem-se verificado um aumento significativo de pessoas em vários níveis de ensino o que vai contribuir bastante em relação aos conhecimentos de prevenção de aumento de natalidade e diminuição da mortalidade e também na prevenção de algumas doença que tenham como origem a falta de sapiência. 

 

 

 

Conclusão

 

Após o término de trabalho o grupo concluiu que, Macurunco é dos bairros cujo número da sua população tende a aumentar devido as migrações visto que a sua população da idade dos jovens neste caso entre 0-14 são menor em relação dos 20-24, no que se traduz pelo elevado número de imigrantes. Em quanto a idade dos 20-24 tende a aumentar, verifica-se também outro fenómeno nas idades entre 30 a 80 que tende a reduzir devido a mortalidade o que implica disser que a sua esperança média de vida é muito reduzida.

 

 

Bibliografia

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, Terceiro Recenseamento Geral da População e Habitação, Bairro Urbano 1. 2007. Moçambique

MATOS, Maria Lúcia Santos et all, Contraste Geográfico, ed. ASA, 1990. Portugal

SILVA, Lúcia Ucha da, Geografia 90 ano, Textos Editoras, ed. 3a, 1990. Portugal   

FALCÃO, Teresa. Et all, Geografia 80 Ano, Textos Editoras, LDA. 1992. Lisboa 


Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/estudo-sobre-a-estrutura-etaria-da-populacao-de-macurungo-beira/114660/#ixzz2vA5XHEDF

publicado por malua7rcbm às 16:08
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 6 de Março de 2014

PIAGET, Toria de Aprendizagem

                                   Autor: Rajabo Caetano Bernardo Malua             

 

 

 

Introdução

 O presente trabalho aborda sobre a Teoria de Aprendizagem de Piaget, que faz parte das teorias cognitivas de aprendizagem e que explicam como as informações são adquiridas, processadas e actualizadas através de processos cognitivos. Falaremos de aprendizagem, assimilação, acomodação, equilibração pensamento, sensório - motor, pensamento pré- operatório concretos e pensamento operatório formal.

Objectivos

Geral:

  • Conhecer o contributo da teoria de Piaget na aprendizagem.

Específicos:

  • Definir os conceitos Aprender, Aprendizagem, Teorias de aprendizagem.
  • Caracterizar a teoria de aprendizagem de Piaget.

Metodologias

Para a materialização do presente trabalho, efectuou se a pesquisa bibliográfica e na internet.

  Enquadramento conceptual

 Aprender

“É um processo que se dá no decorrer da vida, permitindo - nos adquirir algo novo em qualquer idade”. BOCK (1999: 115).

 

Aprendizagem

 

Segundo BOCK (1999: 115), aprendizagem é “uma conexão entre o estímulo e a resposta”. É o processo de organização das informações e de integração do material á estrutura cognitiva. Idem

      

Segundo Morreira e Masini, citado por TEXEIRA (1999:115), “aprendizagem é um elemento que provem de uma comunicação com o mundo e se acumula sob a forma de uma riqueza de conteúdos cognitivos”. É o de organização de informações e integração do material pela estrutura cognitiva na qual o indivíduo adquire assim, o número crescente de novas acções como forma de isenção em seu meio. 

 

Teorias de aprendizagem

Denominam-se Teorias da aprendizagem, em Psicologia e em Educação, aos diversos modelos que visam explicar o processo de aprendizagem pelos indivíduos.

 

Teoria de Aprendizagem de PIAGET

Produziu uma extensa obra entre 1918 e 1980. Procurou explicar o aparecimento de inovações, mudanças e transformações no percurso do desenvolvimento intelectual, assim com dos mecanismos responsáveis por estas transformações. Por tais atributos, sua teoria é classificada como construtivista. Este carácter da obra de Piaget torna se marcante a partir da década de 70, quando passa a trabalhar, exclusivamente, com investigações sobre os mecanismos de transição que explicam a evolução do desenvolvimento cognitivo.

 

Para Piaget, a formação das operações cognitivas no homem está subordinada a um processo geral de equilibração para o qual tende o desenvolvimento cognitivo como um todo.

 

É preciso lembrar que, naquela época, as teorias associativistas e empiristas enfatizavam o papel da experiencia com os estímulos do ambiente. Sem deixar de reconhecer este papel, Piaget assentou, em sua obra a existência de uma organização própria dos sujeitos da experiencia sensível, organização que submete os estímulos do meio à actividade interna do sujeito.

 

O homem, dotado de estruturas biológicas herda uma forma de funcionamento intelectual, ou seja, uma maneira de interagir com o ambiente que o leva á construção de um conjunto de significados. A interacção deste sujeito com o meio ambiente permitira a organização desses significados e estruturas cognitivas.

 

Durante a vida, serão vários os modos de organização dos significados, marcando, assim, diferentes estágios de desenvolvimento. A cada estágio corresponderá um tipo de estrutura cognitiva que permitirá formas diferentes de interacções com o meio. São as diferentes estruturas cognitivas que permitem prever o que se podem conhecer naquele momento de evolução.

Piaget utilizou para construção de suas ideias, o modelo biológico: na qual concebe que o homem é guiado pela busca do equilíbrio entre as necessidades biológicas fundamentais de sobrevivência e as agressões ou restrições colocadas pelo meio para satisfação dessas necessidades.

 

Nesta relação, a organização quanto capacidade de individuo de condutas selectivas é o mecanismo que permitirá o homem ter condutas eficientes para atender as suas necessidades, isto é, á sua demanda de adaptação.

A adaptação que envolve a assimilação e acomodação numa relação indissociável é o mecanismo que permitem ao homem não só transformar os elementos assimilados, tornando-os parte da estrutura do organismo, como possibilitar o ajuste e acomodação deste organismo aos elementos incorporados.

 

Neste sentido, a inteligência, é uma adaptação - é assimilação, pois incorpora dados da experiencia do individuo e, ao mesmo tempo acomodação, uma vez que o sujeito modifica as suas estruturas mentais para incorporar os novos elementos da experiencia.

O desenvolvimento intelectual resulta da construção de um equilíbrio progressivo entre assimilação e acomodação, o que propicia o aparecimento de novas estruturas mentais. Isso é um processo em evolução. No decorrer de sua evolução a inteligência apresenta formas diversas (estágios) e essas formas vão caracterizando as possibilidades de relação com o seu meio ambiente.

 

Assim, o homem aprende o mundo de maneira diversa a cada momento do seu desenvolvimento.

Piaget não desenvolveu uma teoria de processo de Ensino-aprendizagem mas formulou referências claras que, na década 80 seriam utilizadas por Emília ferreiro na elaboração da sua teoria sobre aprendizagem da escrita. Piaget, na verdade, foi e é referência para muitos teóricos na psicologia.

Características da Teoria de Aprendizagem de Piaget

 Piaget, concebe que aprendizagem se realiza como processo de assimilação, acomodação e equilibração

Por assimilação compreende-se a aquisição de novos conhecimentos e novas experiencias integrando-os ou absorvendo-os nas estruturas ou esquemas existente do pensamento.

 

Acomodação, designa as modificações que as novas experiências provocam os esquemas ou estruturas existentes de modo que haja adaptação. Para que haja adaptação é necessário que haja equilíbrio entre assimilação e acomodação. O desequilíbrio entre assimilação e acomodação provoca conflitos para outros patamares de equilíbrio de nível superior.

O processo de assimilação, acomodação e equilibração realiza se por meio de processos cognitivos e, em especial, através do pensamento.

Aplicações pedagógicas da teoria de PIAGET

A teoria de aprendizagem de Piaget tem suas aplicações no processo de ensino e aprendizagem no que diz respeito aos seguintes aspectos:

  • A elaboração dos currículos adaptados as particularidades dos estágios de desenvolvimento de pensamento;
  • A formulação de objectivos, selecção de métodos e meios de ensino- aprendizagem pelo professor tendo em conta as particularidades do pensamento nos diferentes estágios;
  • A estimulação de processo de análise e síntese do aluno no processo de ensino- aprendizagem;
  • A consideração do aluno como ser activo, detentor de formas próprias de assimilar e elaborar os conteúdos;
  • As considerações das experiencias e conhecimentos anteriores dos alunos no processo de ensino- aprendizagem.

Vantagens

A teoria de Piaget é essencialmente cognitivista por se preocupar pela forma como o educando realiza o processo de cognição, isto é, de aquisição de conhecimentos, os elabora com base no pensamento, como sujeito activo.

 

A aplicação dela exige a consideração da ligação da matéria nova a anterior, a análise e síntese dos conteúdos tratados pelos alunos estimulados e orientados pelos alunos e elaboração dos novos conhecimentos com ajuda do professor.

 

O modelo Piagetiano, que prima  pelo rigor científico de sua produção, trouxe contribuições práticas importantes, principalmente, ao campo da Educação - muito embora, curiosamente, aliás, a intenção de Piaget não tenha propriamente incluído a ideia de formular uma teoria específica de aprendizagem.

 

Implicações da Teoria de PIAGET no PEA

 

A teoria de Piaget não deve ser considerada como algo petrificado. Todas as teorias Psicológicas são orgânicas e vivas e portanto, dinâmicas.

Assim sendo, embora muito já seja conhecido (construído), muito ainda permanece desconhecido e para ser construído.

Piaget não direccionou sua pesquisa para a educação e o ensino, mas teoria sobre como as crianças adquirem o conhecimento e como se desenvolvem intelectualmente.

 

Proporciona, sem dúvida muita informação relevante para a educação. A teoria de Piaget não pode ser reduzida a um conjunto de procedimentos operacionais. Ela é uma perspectiva sobre a qual deve se reflectir a fim de que se possa ser usada como instrumento auxiliar dos professores na compreensão dos alunos e na compreensão do porquê eles aprendem ou não, na escola.

Conclusão

Chegado ao fim do trabalho, concluímos que a teoria de aprendizagem de Piaget define aprendizagem como um processo de assimilação, acomodação e equlibração que se baseia no pensamento. A elaboração de objectivos de ensino- aprendizagem, a escolha de meios e métodos de ensino e aprendizagem devem adequar se as particularidades do desenvolvimento do pensamento do aluno. No processo de assimilação, acomodação e equlibração há que ter em conta os conhecimentos e experiencias anteriores dos alunos, estimular e orientar os alunos na análise e síntese dos conteúdos tratados de forma a chegarem a construir os novos conhecimentos.

Para Piaget, a construção do conhecimento ocorre quando acontecem acções físicas ou mentais sobre objectos que, provocando o desequilíbrio, resultam em assimilação ou, acomodação e assimilação dessas acções e, assim, em construção de esquemas ou conhecimento. Em outras palavras, uma vez que a criança não consegue assimilar o estímulo, ela tenta fazer uma acomodação e após, uma assimilação  o equilíbrio é, então, alcançado. As ideias de Piaget foram de grande relevância qualitativa na compreensão do desenvolvimento humano, na medida em que é evidenciada uma tentativa de integração  entre o sujeito e o mundo que o circunda.

Referencia Bibliográfica

 BOCK, Ana Mercês Bahia et al. Psicologias uma Introdução ao estudo de psicologia. Editora saraiva, 13C edição reformulada e ampliada, São Paulo, 1999.


Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/teoria-de-aprendizagem-de-piaget/114855/#ixzz2vA2DxJUs

publicado por malua7rcbm às 08:21
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Março de 2014

NAICO-MUACIPWA, A TERRA POR ONDE CRESCI

                                                                                                                                                                  Autor: Rajabo Caetano Bernardo Malua


Introdução

Este artigo que tem como titulo DESCRIÇÃO GERAL DO POVOADO DE NAICO encera-se no quadro de uma pesquisa que visa focalizar acerca da descrição do Povoado ou Regulado de Naico no que diz respeito o seu modo de vida, sua integração na sociedade, a percepção do mundo de hoje que se encontra em constantes transformações no que concerne a maneira como ela é concebida, a sua localização do espaço em que esta comunidade co-habita, sua extensão, suas actividades bem como, o modo como eles transferem e conservam a sua educação as novas gerações e as suas dificuldades que enfrenta dia a pôs dia.

Primeiro é de louvar pelo esforço que tem sido evidenciado por parte desta comunidade desde o começo deste artigo até agora a que publico, não duma forma como devia ser, mais sim, dum jeito achado melhor para fins de facilitar o conhecimento e reconhecimento desta região e seu povo, cujo descrição não se faz sentir nas nossas bibliotecas ou pela inacessibilidade do mesmo. Devido a falta de fontes suficientes que versam sobre a área em descrição, o autor pautou-se pela interacção dos contos populares, das pessoas mais velhas, nas quais foram contadas desde a quando da sua origem até então. Recordasse, que em ciências sociais, principalmente em História, as fontes orais nos são úteis, desde que o seu conteúdo se aproxima ao real. Foi através de mundo de ideia, e das qualidades que as pessoas mais velhas lhes são vistas como biblioteca quando o assunto é sobre o passado a que ele estava sujeito, e da realidade vivida pelo autor na transmissão dos conteúdos, lhes atribui a qualidade de “Enciclopédias vivas”, devido a riqueza do saber histórico da área em estudo.

Tendo em conta, que um trabalho, não é um fim, mais sim, um princípio para um certo fim, e que a Ciência difere do Dogmatismo, pela existência de espaço de sugestões e acréscimo, o autor por meio deste e doutras formas pede e agradecer aos leitores pelas suas sugestões e acréscimos.

 

Palavras-chaves: Naico, regulado, Muniga e localização.

 


 

Resumo

Falar de um povo, uma comunidade ou povoado, implica necessariamente a noção de critérios básicos, critérios estes, que possam evitar-te a constância permanência do egocentrismo. Visto que na medida que nos comprometemos em fazer uma abordagem de uma determinada comunidade, estamos comprometidos em aceitar os seus hábitos e costumes.  

Foi a partir destes métodos que ditaram a realização e concretização de um sonho, fruto de um trabalho árduo e que parecia quase impossível mais graça a persistência e dedicação, pode fazer o presente artigo se assim o podermos considerar.

O artigo esta enraizado no Povo ou Regulado de Naico, no Posto Administrativo de Bajone, a terra que me viu a crescer e onde pela primeira vez na vida aprendi o ABCD e a escrever o meu nome e dos meus pais.

Ai vão dos aspectos importantes que identificam este povo, seus hábitos, costumes, crenças e actividades que exercem ainda das suas preocupações que enfrentam dia-a-dia que um dia esperam verem resolvidos.

  1. Povoado ou regulado de Naico

Localização física geográfica da região

Naico é uma região da Localidade do mesmo nome, localizada a Norte do Posto Administrativo de Bajone, no Distrito da Maganja da Costa, na Província da Zambézia na República de Moçambique, situado entre os Latitudes 17,08333 e 38,04722 de Longitude, e 8,52 distância em milhas e que para se evitar confundir com a localidade, alguns chamam de Muacipwá.

 

Limites

Norte: limita-se a com a localidade de Impaca, localidade este pertencente ao Distrito de Pebane através de um limite natural (pelo rio Muniga).

 Este: separa-se pela zona de Arare através do rio Milage.

Oeste: limita-se com a região de Nabrico, região este, que se encontra dentro do mesmo Posto Administrativo de Bajone e a zona de Marroane, região esta pertencente ao distrito de Pebane onde se regista a confluência dos rios Muniga e Milage.

Sul: separa-se com o povoado de Nabrico através do rio Milage formando um só rio na qual desagua no Oceano Indico.

 

Condições hidrográficas

Em relação a hidrografia, esta região é banhada por vários rios sendo a considerar como principais o Muniga e o Milage, devido a sua extensão. Encontramos também dentro desta região, os rios Muacipwá, Mudjeane, entre outros. Estes rios têm desempenhado um papel importante neste regulado, no que diz respeito a prática da pesca, captação de água para o consumo assim como lavar a roupa, banho entre outras actividades domésticas e lazer.

No que diz respeito ao banho, encontramos no decurso destes rios vários subsecções, estes servindo de lugares de lazer para este povo que habitam em ambas as margens dos mesmos rios como é o caso de Wababai, Vamoniana, (Alobuana/atiana), Wannansua, Vacarrone entre outros lugares que ao decurso desses rios vão ganhando e que os nomes atribuídos a este locais de lazer, vão de acordo com a profundidade, as características dos complexos rochosos e o ambiente.

São rios de água doce e que nas épocas secas ou de verão, tornam-se rios de águas salgadas devido a influências das marés, pois, estes dois rios se unem formando um braço na qual vão desaguar no canal de Moçambique ou melhor no Oceano Indico.

 

Condições Geomorfológicas

Sendo que Geomorofológia diz respeito as condições do relevo, nesta parcela do país, é geomorfologicamente, uma região de planície ou de terras planas devido a sua configuração do relevo e ou devido a sua proximidade ao mar. Notabiliza-se no meio destas planícies algumas elevações de recursos pedológicos em forma de montanha a que se denomina de Murro-muchem em linguagem popular e (ERUA) em língua local.  

 

Condições Pedológicas da região

Pela influência dos rios e das águas das chuvas, da vegetação e do subsolo, vêem-se nesta região solos argilosos, ricos e alguns recentes devido a acção das águas neste caso nos referimos de solos arenosos resultante da acção de depósitos de sedimentos oriundos pela acção das chuvas.

 

Breve historial 

Há vários dizeres sobre o historial desta zona e do seu povo. Povo este considerado por muitos, como acolhedor, compreensivo entre outros atributos que ao desenrolar deste trabalho farei a descrição do mesmo. Esta região está entre dois rios e que para evitar confudir-se com o nome da localidade alguns o chamam de Muacipwá, nome este que deriva dum rio que nasce na mesma zona e desagua no rio Milage e que apesar de ser um rio influenciado pelas condições naturais, ela, fornece água durante o ano.

Considerando que esta área é constituída por dois grandes rios a sul (rio Milage) e a norte (rio Muniga), pode considerar-se esta região como uma ilha, tendo em conta que em épocas chuvosas esta região chega a não ter acesso ao trânsito ou melhor, que o trânsito fica interrompido principalmente no rio Muniga devido a altura que a ponte apresenta, altura este que não ultrapassa 1 m, em relação a outra ponte, neste caso a do rio Milage, há vezes que o tracinho fica interrompido, mais isso não leva dias devido a sua altura que ronda entre 7 m de altura.

 

 

Origem

Segundo as vozes populares, Naico, provem dum Sultano (regulo), com mesmo nome que devidos os seus esforços e sua actuação pela área e o seu reconhecimento pelo seu empenho na resolução de conflitos tribais, lhe é atribuído o seu nome aquela área.

Outros partem do pressuposto de que: considerando-se esta região como uma ilha, ou melhor separado por dois rios, a sua origem esta relacionado com as condições físico geográfico da região, visto que até em meados dos anos 70, Naico era uma das áreas do Posto Administrativo de Bajone, cujo seu acesso era possível através de travessia via barcos de pequenos portes (Canoa) e que em sua língua local (o Muniga), recebe pelo nome de (Mutei), que tem a capacidade de transportar de cinco a Dez pessoas e suas bagagens, quando estas não forem de grande peso.

É através das margens dos seus rios que provem Naico, devido a sua designação de (Eico) em sua língua local e (Veico) que em português equivale ao local onde se apanha o barco para um certo destino.

 

 

População

Com uma população estimada em cerca de mil e novecentos e oitenta e três habitantes (1983 hab), segundo os resultados preliminares do terceiro censo geral da população e habitação realizada em 2007, creio que este número venha a aumentar.

Devido a sua actividade agrícola, na qual estão sujeitos a mudanças de residências para os locais de terras aráveis, presumisse que este número seja inferior ao número real desta população.

A cerca de 98,5% da sua população é da religião Muçulmana, cuja sua principal actividade económica é a agricultura, a pesca e em pequenas proporções a caça.

 

Educação

A educação é uma actividade muito importante e significativa para qualquer sociedade, tal é que em nenhuma sociedade que tenha existido não tenha tido esta pratica importante para a comunidade. Porem, nas sociedades actuais existe dois modelos de educação em vigor.

Segundo Pilleti (2004:12) “não há forma única e nem único modelo de educação… a transmissão de conhecimentos de velhos para os jovens nas aldeias africanas e o ensino nas modernas escolas das cidades grandes são modelos diferentes do processo educativo”.

Assim sendo, a educação tradicional é feita nas comunidades, casa que pressupõem a transmissão dos valores culturas dos mais velhos para os mais novos, e a educação moderna é feita em escolas formais criadas com o tal propósito.

Sendo assim, nota-se nesta comunidade a existência desses dois tipos de educação. Mas também como muitos dizem a educação é uma das chaves para o combate o analfabetismo e consequentemente como um meio para a erradicação da pobre, lamento bastante em descrever as condições actuais em que se encontra a instituição onde se dá a educação Moderna sob ponto de vista do Pilleti, devido as precárias condições que ela se apresenta.

 

Devido a falta de uma mão de ajuda por parte do governo na construção de uma escola melhorada, os encarregados de educação e o povo no geral tem evidenciado esforços para o melhoramento do mesmo e por causa do uso do material local, este não mostra resistência face as calamidades naturais como é o caso de vendavais e chuvas fortes que este canto do país tem sofrido ano a pois anos devido as ocorrências dos ventos alísios e por ser zona de convergências inter-tropical.

 

Povos este que nem mereceu, merece e mereceria a estas condições, há que hoje eles estão sujeitos. Falo-vos da actual condições da Escola primaria de Naico, hoje a chamada Escola Primaria completa Josina Machel de Naico.

 

Começou as suas funções na era dos meus pais, sem temor de erra, nos anos 80 e que dela até cá, nem os alunos que já passaram por lá até então já tiveram a oportunidade de se sentar numa carteira e nem muito menos de uma sala melhorada.

Nos anos 1998-2007, os alunos desta região, para continuarem com seus estudos neste caso, quando transitassem para a 4ª classe, viam-se obrigado a percorrer os 9 km de distância para fins de prosseguir com os estudos numa área chamada Alto Mutabide, e muitos desse perdiam os estudos por motivos de distância.    

É uma instituição do Estado, que lecciona de 1ª a 7ª classe actualmente, com um universo de 286 alunos inscritos e com 6 docentes.          

 

 

Saúde

É para toda a sociedade um bem indispensável para o bem-estar da mesma, bem como para a mitigação de doenças. A política do Sector de Saúde quanto à prestação de cuidados de saúde é de contribuir para a promoção de saúde da comunidade pela própria comunidade.

Segundo MISAU (2004:4) “o objectivo da política nacional de saúde é de contribuir através de formas específicas para a promoção, manutenção e melhoramento da saúde da comunidade em completo e a colaboração com os esforços desenvolvidos por outros”.

É neste sentido que são construídos centros e postos de saúdes ao longo dos distritos, postos Administrativos e localidades como forma de fazer com que os habitantes tenham um atendimento hospitalar e estejam saudáveis e aptos para contribuir para a problemática da pobreza que assola o país.

 

No que diz respeito a saúda, esta região possuía um centro de saúde, e que devido a luta de desestabilização, viu-se perder do seu grande símbolo, símbolo este que para alguns dizia respeito que esta região está dentro do reconhecimento do estado. Depois de tantos anos, por tantas crises viu-se o sonho realizar-se em 1998-9 aquando da construção de um posto de saúde, com material local, e com menos tempo de actuação viu-se o sonho deste povo a se perder mais uma vez e que até hoje, este povo clamam para este bem publico. Neste caso, vem-se pessoas a deslocar distâncias enormes, distancias estas que variam de 9 a 16 km para apanhar um posto de saúde.

 

 

Transporte e Comunicação

No que diz respeito ao transporte e comunicação neste canto do país, verifica-se a problemática da degradação das vias de acesso neste caso as estradas e pontes. Sendo que esta parcela do país, faz ligação entre o Posto Administrativo de Bajone-Maganja da Costa com a Localidade de Impaca no Distrito de Pebane numa distancia de 9 km com a estrada principal que liga Posto Administrativo de Mocubela com o Distrito de Pebane.

Condicionada esta via, ligando assim, o distrito de Pebane com o Posto Administrativo de Bajone poderia facilitar o fácil desenvolvimento em ambas as partes como é o caso de escoamento de produtos e bens do Posto Administrativo de Bajone para a Vila de Pebane e vice-versa. Considerando que Bajone é um dos celeiros do Distrito de Maganja da Costa e sendo que a distancia que os separa é três vezes mais que com o Distrito de Pebane via Naico, isto poderia impulsionar o rápido desenvolvimento e no facil escoamento de produtos agrícolas como é o caso do potencial produção de Arroz na Localidade de Missal, Castanha de Caju e Mandioca na Localidade de Naico, Copra e Peixe na Localidade de Nacuda.

 

A zona tem acesso as três redes de telefonia móvel existente no país, apesar da sua oscilação, devendo-se a este caso, a longevidade da fonte de aquisição, que é através da Vila de Pebane no caso da operado móvel da Vodacom e Mcel e que poucas vezes usufruem das mesmas operadoras localizadas no mesmo Posto Administrativo excepto a da Movitel.      

 

Língua

Esta região tem como a língua o Macua não profundo ou não cavado e que segundo eles a sua língua não é mais nem menos do que a Língua Muniga, e que a sua origem associa-se ao rio Muniga e que este difere do Emacuá, do Elomué e até do Échuabo, sendo assim, para eles, não faz sentido dizer-se que é Émacuá mais sim Muniga e que talvez ela seja resultado da junção destas três línguas acima mencionadas. 

 

Religião

Naico como tal, não tem outra religião alem do Islam (religião Muçulmana), e para que não caiamos ao erro, admitir que se existe pessoas de outras concessões religiosas são os funcionários afectos naquela área sendo que a probabilidade é de 0,005 pessoas não muçulmanos. Isto pode se explicar pelo facto de ser uma região localizada as margens dos rios ou por outra a faixa costeira, visto que foi estas regiões que o Islamismo tem mais adeptos. Eles acreditam que só existe um único Deus chamado (Allah) e que Mahome (Muhammad) é o seu mensageiro (profeita). Esta é a única defesa/chave dum irmão muçulmano crer e acreditar nesta religião.

 

Agricultura ou actividade agrícola

Considerando que a agricultura é a base de subsistência dos povos rurais e até urbanos, nesta região também não foge a regra. Pratica-se nesta região a agricultura tradicional, num sistema de policultura. Esta actividade em algum momento, leva este povo a ser nómadas no diz respeito a mudança de residência para os locais que as condições pedológicas são favoráveis a pratica desta actividade. Neste caso, vem-se pessoas deslocar para Arare, Maiva, Muham entre outros locais a procura de terras aráveis. Esta actividade envolve vários produtos como a destacar: (mandioca, amendoim, mapira, gergelim, tabaco, todos tipos de feijão e entre outras culturas.

 

Principais culturas

Mandioca, arroz, milho, feijão (em todos os seus derivados), amendoim, a castanha de caju entre outros.

 

A Caça

Este povo, apesar de que, em últimas instâncias, não vem se destacando neste tipo de actividade, eles já vinham praticando esta actividade, só que devido a extinção de animais que fazem parte dos seus alimentos, nota-se quase uma minoria que a pratica esta actividade. Há cinco anos atrás, notava-se como fruto da caça, a carne da impala, a gazela, o coelho e entras espécies.

 

A Pesca

Pode se dizer que a pesca é uma actividade praticada com maior relevo as comunidades das faixas costeiras e ou das proximidades dos rios que tem condições favoráveis a tais actividade. Neste caso, este povo, devido as condições que lhes são dadas desde que se implantaram nesta área, vem se obrigado a pesca como sendo a segunda maior fonte de rendimento, rendimento este que eu considero na medida em que alem de fornecer o pescado para a sua família, também, vende para suprir as suas necessidades de entre as quais é de mencionar, na compra de alimentos que lhes faz falta, sal, roupa, calçado entre outros desejos.

Esta actividade tem sido praticada quase por toda população, neste caso se distinção de sexo. E é efectuado em dois momentos, na qual, em sua língua local denominam (Orrubelela), que equivale dizer “ir a pesca e ficar uma ou mais semanas e ou um ou mais mês” e o de vai-e-vem. Esta actividade é executada por redes apropriados para tal actividade e no caso das mulheres por redes de mosquiteiros em alguns casos.

 

Principais tipos de pescado

Aqui lhes é apresentado os principais tipos de pescado e pela deficiência na sua nomenclatura alguns deles iremos utilizar a nomenclatura local, sendo assim, se destacam como principais pescados: o Camarão (mucahem), na língua local, a Lagosta, Muzha, miroce, pabahé, baxalão, ecuvavi, alapalapa, sarapwadjé, mitaracha, entre outras espécies.

 

 

Divisão do trabalho

Deste os tempos idos até então, em muitas sociedades encontramos os trabalhos divididos em sexo e idade, assim sendo esta comunidade não se escapuliu da regra. Aqui, os trabalhos são feitos de acordo com a idade e sexo.

 

sexo masculino

As pessoas do sexo masculino visto deste os tempos remotos como pessoas dotados de forças superior em relação aos de sexo oposto, tem como tarefa, a construção do lar, a pesca, resolução dos conflitos familiares, a casa, o desflorestamento para dar lugar aos novos campos agrícolas, os negócios e assim como a agricultura.

 

Sexo feminino

Essas, consideradas por alguns, como classe dominadas e por outros como guardas de casa, são as que no meu entender trabalham muito. Vamos partir comigo, e tenho certeza que irão concordar no que digo. Imaginemos: um casal que acorda as cinco e vão e voltam a machamba juntos, chega a casa, limpa o pó, vare o pátio se se admitir que não tem filhos com idade de fazer esta tarefa, vai ao poço cartar água, para o banho do marido assim como para o consumo diário, faz almoço, almoça, lava os pratos e logo descansa” sinceramente, esta mulher. Todo este desenrolar de acontecimentos, me faz abandonar a ideia de ver uma mulher como um ser fraco. Ela vai a pesca, e cuida das crianças entre outras actividades que ela desenvolve.

 

Idade

No que se refere a idade, nesta e em qualquer sociedade, as actividades e ou, a pratica desta ou aquela actividade sem ir mais longe, depende do desenvolvimento físico do endividou. Se não se crer aceitar neste, seria absurdo na minha óptica dar-se a tarefa de carregar um bidão de 20 litros a uma criança dos seus 7 anos. Sendo assim, nesta comunidade, as crianças do sexo masculino dos 12 a 15 anos tem a tarefa de partir as lenhas, afugentar os animais entre outras actividades, e os de idade superior a estes tem a missão de ajudar os pais em algumas actividades como é caso pesca, casa, etc. as meninas (muamualis) em sua língua local, desempenham a função de tomar cuidado dos mais novos e se crescidas, ajudar em algumas actividades as senhoras.    

 

Parentesco

Como é de considerar que a maior parte da população a sul do rio Zambeze, são ou pertencem a linhagem patriliniar, também, a população desta região não fogem a regra, elas pertencem a linhagem matriliniar. Sendo assim, nota-se que os tios paternos das crianças, não têm maior relevo no que diz respeito ao comando sobre eles, papel este assumido pelos tios maternos. Sendo assim, vem-se na mulher na idade de procriação como uma fonte do crescimento de uma dada família e o homem só tem a missão de aumentar a família do outrem.

 

Tribo

 Da mesma linha que se concebe o parentesco neste canto do país, encontramos também o tribo (Nihímó), em língua Muniga, e que em linguagem mais simples e perceptível seriam de designar, pessoas da mesma linhagem e ou do mesmo antepassado comum, verifica-se nesta zona, vários tribos como é o de mencionar: (Amusoma), os considerados donos da área em estudo, neste caso, donos de Naico, (Thomodhó, Mahéha, Thabala, Umvedo, Chehé, Mucori, Namuli) entre outros. Na medida que se admite que o tribo é a menor porção de pessoa numa sociedade, chegar-se-á a concluir que dentro duma sociedade, nela se desenvolvem vários tribos.

 

Ritos de iniciação

Este povo, a sua cultura, admite-se fazer o que se chama de ritos de iniciação seja masculino assim como feminino. E que a diferença entre estes é de que os de o homem visam a preparação para o homem adulto, capaz de resolver qualquer eventualidade ou seja vem-se estar em condições físicas assim como psicológicas para os anseios das sociedades e que para as mulheres visa dotar a elas ou fazer delas senhoras de casa, ou melhor, o rito feminino concebesse como sendo centro de transmissão de hábitos e habilidades que a mulher deve ter e fazer enquanto senhora do seu marido. A duração do tempo de ritos varia de acordo com o sexo, assim por exemplo, as raparigas ficam apenas uma semana de ritos ao passo que os rapazes podem fazer um ou e meio de mês no mato.

 

Cultura e ou Diversão

Devido ter passado a minha infância com este povo que a descrevo, pode os notar como pessoas que em seus momentos de alegria e satisfação se lhes preguntar que tipo de som lhes é melhor acredito eu que diria: Baile, Sambie/Nassaba, Mussobe, entre outras.

No que diz respeito ao segundo ponto, 59% desta população preferia-o visto que é deste que envolve grande massa de pessoas em noites sagradas sonos, os homens se desviam deste para esta dança em conjuntamente com seus filhos, netos, irmãos/as e até avos.   

Gosto ver este lindo povo maravilhoso a dançar dum lado para outro, bem animado e inspirado nos ideias dos seus descendentes e dispõem tambem de desporto como sua modalidade.

 

Desporto

Foi este povo que me fez ser amante do desporto. Apesar de ser aquele desporto praticados nos anos 90, cujos seus critérios foram já ultrapassados, apreciou este povo quando lhes é posto a jogar. Lembro que já esteve na ADEBA e que por motivos de discordância com o seu adversário acabaram por serem demitido daquela agremiação mais mesmo assim, este povo não se rendou por isso ate hoje se divertem deste.   

 

Transporte e vias de comunicação

Esta região, localizada na localidade do mesmo nome, no Posto Administrativo de Bajone, ela pode ser usada como via para encurtamento de distância para quem sai de Bajone em direcção ao Distrito de Pebane e vice-versa. Sendo assim, é uma zona de livre circulação apesar de que este depende dos factores físicos naturais (cheias), mais também tem a ligação com a costa através dos seus rios que vão dando acesso até ao canal de Moçambique.  

 

Centralização do poder (Regulado)

Tradicionalmente, quase em todas zonas rurais, cada área tem um povo, uma linhagem ou tribo que se afirma como donos da área, como também, aqui isto se faz sentir. Apesar de que Naico, segundo a religião seria de deus, assim, como para o governo do nosso país a terra é propriedade do estado, Naico é da tribo (MUSOMA), tribo este onde nasceu a pessoa aquém foi posto o nome de Naico. Assim sendo, a sucessão do regulado ou do poder local faz-se com consentimento das pessoas deste tribo assim como qualquer actuação deve-se antes porem comunicar-lhes a eles.

Esta zona é constituída por um régulo o chamado régulo Naico, de 1ª escalão, um secretaria e seus súbditos.

 

Visão sobre o mundo

 Este povo, acreditam nas suas crenças que depois da morte há vida, e que o homem está na terra de passagem e que deve fazer qualquer coisa ou melhor prepara-se para as vidas futuras além morte. Defende que a adoecer é uma das formas de diminuir os pecados. Vem no Deus como pai e todo-poderoso, protector e as suas conquistas são fruto do desejo do senhor.

No que diz respeito ao elevado número de filhos, defende que, a riqueza provem do elevado efectivo, sendo assim, é rico aquele que tiver muitos filhos e pobre aquele ao contrário.

 No que diz respeito a poligamia, defende eles, que não é problema porque profeta Moammand o fez. E respeitam e invocam aos seus passados.

Em momentos de crises e ou de falta de uma das coisas que em varias épocas tiveram, eles fazem uma cerimonia para invocar aos espíritos a colmatação e resolução do problema que os apoquentam. 

Para eles, o fim do mundo virá, mais quando, ninguém o sabe. Eles diferem dos outros em relação a este ponto, visto que para alguns, muito mais académicos defende que o fim do mundo é individual e não colectivo.     

 

 

Dificuldades que o povo enfrentam

 Nota-se nesta zona a falta de um posto de saúde, escola melhorada, vias de acesso para o escoamento dos seus produtos, falta de fontes de águas, centro social e de diversão, acima de tudo instituições públicas de primeira necessidade.

Desde a ate então, a única coisa que faz sentir como acção por parte do governo a abertura de duas fontes de água, fontes estes influenciados pelas condições climáticas, ou melhor que depende das épocas chuvosas, falta de um mercado convencional, visto que um dos centros de recolha de impostos para o estado. 


 

Bibliografia

MISAU. Estratégia de Envolvimento Comunitário. Maputo: 2004

PILLETI, Claudino. Didáctica Geral. 23ª Ed., Editora Ática. 2006

Internet goolge.com

Fontes orais 

 

 

Agradecimentos

 

                                                                                                                                                                                           Em memória ao meu pai…

Pela busca permanente do conhecimento

Aos meus Pais: Caetano e Zelita, ao meu filho Dubois que pela primeira vez me fez chamar de pai, aos meus Irmãos: Maria, Ildefonso, Agirath, Calton, Mateus, Ascó, Mercy, Guerra e Zabiro, Avo Amana, Tios: Rui, Menória, Elias, Zacarias, Carlos, Sónia, Danane, Momade Danane, Yassine, Primos: Danane, Fausto, Amide, Domingos, Jadina, Benazir, Tammy, Quichany, Rada, Sobrinhos: Chaquila, Fazila, Ruquia, Ácima, Allan, Nelva, Jum, lEO, lUCIAa quem dedico esta obra, a minha família em geral, pelo amparo, paciência, amor e acima de tudo aquele apoio incondicional que sempre transmitiram.

O meu profundo agradecimento vai para os meus Professores, Colegas, Amigos e Familiares que fizeram parte do meu processo de ensino e aprendizagem por terem me aceitado como seu aluno, filho, amigo, irmão e ter me orientado, até então que escrevo este artigo, bem como pela forma inesquecível e profissional o fizeram, contribuindo assim para o sucesso e enriquecimento do trabalho.

Um agradecimento especial vai aos populares do Regulado de Naico, por me ter concedido esta oportunidade de os descreve-los. 

Finalmente, mais de certo o agradecimento mais importante aos meus amigos e colegas: Ancha, Bana, Óscar, Tiago, Maugente, Erneio, Alde, pelo apoio incondicional, incentivo, sem o qual juro esta difícil jornada não teria sido possível.



Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/descricao-geral-do-povoado-de-naico-bajone/116012/#ixzz2v6VUAQ3N

publicado por malua7rcbm às 17:49
link do post | comentar | favorito

OS QUATRO PES DE MARKETING, TIPOS DE MARKETING E SUA IMPORTANCIA

AUTOR: MALUA, Rajabo Caetano Bernardo

 

Introdução

 

O presente trabalho, aborda sobre “os quatros pés (4 p’s) de marketing, tipos de marketing e sua importância”. Tendo em conta que marketing é uma componente ou conjunto de processos que envolvem a criação, a comunicação e a entrega de valores ao beneficiário, ela é regido de normas, critérios a fim de ajudar o vendedor assim como o comprador nas suas execuções. O trabalho numa primeira fase, iniciou pela conceituação de alguns itens achado pelo autor como sendo de maior relevo para tornar mais fácil a sua percepção. Neste caso, espero ansiosa uma boa apreciação e que futuramente possa servir de uma fonte de consulta.

Quadro Conceptual

Conceitos:

Marketing

Segundo a definição da Web, “É a parte do processo de produção e de troca que se encontra relacionado com o fluxo de bens e serviços do produtor ao consumidor”.

“É uma função organizacional e um conjunto de processos que envolvem a criação, a comunicação e a entrega de valor para os clientes, bem como a administração do relacionamento com eles, de modo que beneficie a organização e seu público interessado”, (AMA-American Marketing Association, 2005).

 

É a entrega de satisfação para o cliente em forma de beneficio”, (KOTLER e ARMSTRONG, 1999).

 

Marketing Mix

Para PHILIP KOTLER (1999), “é um conjunto de ferramentas que a empresa usa para atingir seus objectivos de marketing no mercado alvo”.

Composto de Marketing

É a combinação de ferramentas estratégicas usadas para criar valor para os clientes e alcançar os objectivos da organização. (Churchill & Peter, 2000, p.20)

 

Historial de Marketing

Origem do Marketing

 

Na própria génese do comércio, o Marketing é um campo de estudo novo se comparado com os demais campos de saber, apesar de encontrarmos suas raízes ao longo da historia da humanidade.

Tal realidade se manteve inalterada ate finas da segunda guerra mundial, quando, então reagindo ao crescimento da concorrência, mercadólogos começaram a teorizar sobre como atrair e lidar com seus consumidores, dai surge então a cultura de “Vender a qualquer preço”.

Os Quatro Pés (4 P’s) de Marketing

Falar de “Os quatros pés de Marketing”, é mesmo que falar dos compostos de marketing ou Marketing Mix em Inglês, que constituem um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado. Foi na obra Basic Marketing de Jerome McCarthy (1960), que o composto foi formulado pela primeira vez na história, trata de um conjunto de pontos de interesse para os quais as organizações devem estar atentas se desejam perseguir seus objectivos de marketing.

O composto de marketing é dividido em 4 sessões frequentemente chamadas dos “quatro pés”. Elas são: Produto, Preço, Praça (ponto de venda/distribuição) e Promoção.

Primeiro “P” Produto

 Produto é qualquer coisa que possa ser oferecida e que satisfaça necessidades e desejos de um mercado. Produto inclui não só bens ou serviços, mas também marcas, embalagens, serviços aos clientes e outras características. Não necessariamente o produto precisa ser físico. Eles podem existir fisicamente, mas também podem ser serviços, pessoas, locais, organizações, idéias, etc.

Para entender melhor o que é um bem, há necessidade de compreender que não se trata somente de algo tangível (palpável ou físico), que compramos e levamos para casa. Muitas vezes estão, junto a ele, serviços, como as férias em um hotel ou um show de uma pessoa famosa. O produto deve, obrigatoriamente ser aquele desejado pelo cliente, estar dentro das suas necessidades.

Níveis a serem considerados na criação de produtos:

Benefício-núcleo

É um benefício fundamental que o consumidor está comprando.

 

Produto básico

É aquele que o consumidor compra. Aqui são definidos os benefícios básicos dos produtos.

 

Produto real ou esperado

Apresenta cinco particularidades: nível de qualidade, características, design, marca e embalagem. É um conjunto de atribuições que os consumidores geralmente esperam.

 

Produto ampliado: oferecem-se serviços e benefícios adicionais

  • Produto potencial: é constituído por todas as ampliações e modificações que esses produtos podem sofrer no futuro. É a provável evolução do produto.

Das quatro variáveis do marketing mix, podemos considerar o produto como sendo a mais crítica no processo decisório. As empresas precisam administrar suas marcas como um dos principais patrimónios da empresa. Alem da administração da marca, é necessário posiciona-lo de forma correcta para que as estratégias alcancem seus objectivos.

Produtos são o conjunto de atributos, funções e benefícios que os clientes compram. Primeiramente, eles podem consistir de atributos tangíveis (físicos) ou intangíveis, como aqueles associados aos serviços, ou uma combinação de tangíveis e intangíveis. (Griffin, 2001, p.228)

Segundo “P”: Preço

Preço é o volume de dinheiro cobrado por um produto e/ou serviço. Preço é a quantidade de dinheiro, bens ou serviços que deve ser dada para se adquirir a propriedade ou uso de um produto.

 

O consumidor ao comprar um produto paga o preço e recebe os benefícios dele. O preço é apenas uma parte do custo total que os clientes pagam numa troca, que também inclui várias variáveis.

O preço é o único componente do mix de marketing que gera receita e é um dos principais elementos na determinação da participação de mercado de uma empresa e de sua rentabilidade.

A determinação do preço de um produto ou serviço nem sempre é uma tarefa simples. É preciso considerar que, quando bem posicionado, o preço de um produto ou serviço é factor primordial ao sucesso do plano de marketing.

 

Ao se elaborar a estratégia de preço de um produto, deve-se considerar o seguinte: ele deve ser suficientemente alto, para proporcionar lucro a quem o está produzindo ou comercializando, porém não pode ser tão alto que desestimule a compra. Afinal, sempre se procura comprar produtos mais baratos. Ele também deve ser suficientemente baixo, a fim de que seja atractivo aos clientes. Contudo, não pode ser demasiadamente baixo, pois pode depreciar o produto aos olhos dos clientes, que podem pensar que há algo de errado nele, além de não ser interessante produzi-lo e comercializá-lo, pois não gerará lucro significativo.

 

Figura 1 – Posicionamento do produto levando em conta qualidade e preço.

O cliente procurará um preço justo, que não deve ser nem muito elevado, de modo que o cliente ache que não vale a pena comprá-lo, nem tão baixo que o leve a pensar que há algo de errado com o produto.

Função do Preço no Composto de Marketing

Dentro do composto de marketing, o preço desempenha quatro papéis importantes:

  • Se a compra será feita e, caso seja, quanto os consumidores comprarão;
  • Se comercialização do produto será suficientemente lucrativa;
  • Se o preço é flexível e pode ser mudado com facilidade. Os profissionais de marketing precisam estar atentos para utilizar a estratégia de pricing  correcta, evitando problemas.
  • O preço é quem gera a demanda e não o contrário. Se o preço do produto é baixo, geralmente a demanda é mais alta e vice-versa.

Analisando essas informações, fica o questionamento: qual é o preço ideal de um produto? O preço ideal de um produto é simplesmente aquele que o cliente julga justo e que, ao mesmo tempo, é interessante lucrativamente para a empresa.

Terceiro “P”: Praça

O “P” de “praça” também é conhecido como ponto-de-venda ou canal de distribuição e pode ser descrito como sendo uma rede organizada de órgãos e instituições que, em combinação, executam todas as funções necessárias para ligar os fabricantes aos usuários-finais a fim de realizar a tarefa de marketing. De uma forma mais simples, distribuição em marketing significa disponibilizar o produto ou serviço ao cliente da forma mais fácil e conveniente para ser adquirido.

O produto desejado, com um preço justo, deve estar acessível ao cliente, isto é, num local onde ele possa compra-lo no momento em que desejar.

 

As decisões de canais de distribuição afitam directamente as outras decisões da empresa e envolvem compromissos a longo prazo. Apesar de ser tão importante para as empresas, a distribuição ainda é um tema que pouco interessa para algumas se comparado aos demais P’s. Por outro lado, existem empresas que administram de forma eficaz a distribuição de seus produtos e esse acaba sendo seu maior diferencial competitivo.

 

Quer um produto seja música, um automóvel, uma garrafa de Coca-Cola, um computador pessoal, um relógio, um pão de forma ou qualquer outra coisa, de alguma forma ele precisará ser posto à disposição de, literalmente, bilhões de pessoas. (Rosenbloom, 2001, p. 296).

São várias as formas de distribuição. Dentre as principais estão:

  • Distribuição directa: Ocorre quando o produtor do serviço ou produto vende directamente ao consumidor. Exemplo: algumas empresas utilizam-se das chamadas “lojas da fábrica”, nas quais fabricantes de produtos vendem directamente aos consumidores. Também pode-se citar os prestadores de serviços, os quais executam, eles mesmos, o serviço para o consumidor, como os dentistas e os cabeleireiros
  • Distribuição Indirecta: Ocorre quando o produto ou serviço utiliza-se de distribuidores para levar o produto ou serviço até o consumidor. Exemplo: quase a totalidade dos produtos encontrados nos supermercados não é fabricada por eles. Os supermercados são intermediários entre o fabricante e o consumidor.

Quarto “P”: Promoção

Muitas vezes, propaganda é confundida com marketing. Isso ocorre principalmente pelo fato de que o composto promocional é a parte do marketing que mais aparece e é percebida pelas pessoas de uma forma geral.

Há um provérbio popular que diz: “A propaganda é a alma do negócio”, e, realmente, ele tem toda a razão, pois se não divulgarmos o produto aos clientes, eles não saberão da sua existência e não poderão adquiri-lo.

Podemos considerar como sendo cinco as principais ferramentas da promoção. São elas: propaganda, promoção de vendas, relações públicas e publicidade, força de vendas e marketing directo.

Tipos de Marketing

Descobrir e satisfazer necessidades é uma constante no trabalho do marketing. Fazer marketing é pensar no cliente o tempo todo. Portanto, toda a empresa deve estar orientada para esse pensamento, e não apenas o departamento do marketing, já que o conceito de business está focalizado nessa máxima.

Sendo assim, precisamos distinguir os tipos de marketing, as suas características e os seus desempenhos para concluir que maneira o marketing pode ser útil às organizações.

São eles: marketing de resposta, de previsão e de criação de necessidades.

Marketing de Resposta

É o marketing que responde a uma demanda, descobrindo e satisfazendo necessidades. É o chamado marketing activo. Grande parte do marketing actual trabalha com essa formulação.

Marketing de previsão

É uma tarefa difícil reconhecer uma necessidade latente ou emergente. Para se aplicar esse tipo é fundamental analisar o mercado através de estudos de cenário, projectando futuros quadros de consumo. É o chamado marketing antecipatório. É considerado arriscado pois as empresas podem errar a estratégia em caso de enfrentarem uma forte influência de variáveis macro ambiental.

Marketing de criação de necessidades

É o nível mais agressivo de marketing, pois é o esforço que leva a empresa a lançar um produto jamais solicitado e, muitas vezes, inimaginável. É o conceito que se parte da ideia de que ao invés da empresa ser dirigida pelo mercado é a empresa que dirige o mercado. É o chamado marketing pró-activo, pois trabalha com a abordagem da inovação radical em sua estratégia.

Objectivos do marketing e análise de desempenho

O sistema de marketing engloba diferentes stakeholders – organizações com fins lucrativos e não-lucrativos, compradores e vendedores – com interesses e objectivos distintos. Cada um deles utiliza-se do marketing com propósitos específicos para atingir resultados mercadológicos

Contudo, pode-se sistematizar objectivos fundamentais que atendam às mais variadas formas de actuação.

Função do Marketing

v  Maximizar o lucro

v  Maximizar a satisfação do consumidor

v  Maximizar a escolha (personalização)

v  Maximizar a qualidade de vida

O que existe em comum, entre eles, é a busca da satisfação da demanda através de uma oferta / valor que promova e atenda às expectativas de um dado mercado.

Os impactos de marketing devem ser analisados, utilizando-se como parâmetro o a tingimento da demanda, o volume de vendas, a participação de mercado e a visibilidade da imagem. A eficácia do marketing é medida tanto quantitativamente quanto qualitativamente.


 

Bibliografia

AMA, (American Marketing Association, 2005).

KOTLER, Philip. Administração de Marketing 12ª Edição, São Paulo. 1999

PIRES, Aníbal. Marketing – Conceitos, técnicas e Problemas de Gestão, Editorial Verbo, São Paulo. 1992

Web, gogleo.com, Acesado  dia 05/03/2014, as 11h:31minuto. 

publicado por malua7rcbm às 17:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



.posts recentes

. COMERCIO INTERNACIONAL

. MANIFESTO ELEITORAL

. Historiografia Africana

. classificação da imagem e...

. Perspectivas do Pensament...

. DIDACTICA - METODOS DE EN...

. Teorias de opressão de gé...

. Ecossistema de mangal no...

. Crescimento Social

. educacao bancaria e pedag...

.arquivos

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds